Total de visualizações de página

100 ANOS DA ASSEMBLEIA DE DEUS NO BRASIL

100 ANOS DA ASSEMBLEIA DE DEUS NO BRASIL

sábado, 15 de agosto de 2009

A GRANDE TRIBULAÇÃO

A GRANDE TRIBULAÇAO – O DERRAMAMENTO DA IRA DE DEUS

O amor de Deus é justo e exercerá juízo sobre toda a terra. O mundo será julgado pela palavra de Deus. 2 Pe. 3:1-13.

OS SETE SELOS

Ninguém foi achado digno de abrir os selos – (Ap. 5:2-10), somente o Leão da tribo de Judá, o Cordeiro, porque Ele é Digno. A abertura dos selos é o princípio da justiça de Deus – (2 Ts. 2:9-12). Cada selo é como uma porta do inferno que se abre com a permissão de Deus para executar Seu juízo – (Mt. 16:18).

Os quatro primeiros selos referem-se ao cavalo e seus cavaleiros, que são identificados pelas cores dos cavalos, símbolos que revelam o propósito particular de sua atividade. Os cavaleiros são os poderes do anticristo.

1º SELO (Ap. 6:1,2): Cavalo branco e seu cavaleiro, que é o anticristo. Os que rejeitaram a Cristo crerão no anticristo. O “cavaleiro montado no cavalo branco” irá com o espírito do erro, dissimulando uma falsa paz.

2º SELO (Ap. 6:3,4) – Cavalo vermelho: Guerra

Ao cavaleiro do cavalo vermelho “Foi-lhe dada uma grande espada”.
Haverá grande derramamento de sangue por meio da guerra.

3º SELO – (Ap. 6:5,6) – Cavalo preto: Fome

Haverá racionamento quantitativo e qualitativo dos alimentos a preços elevadíssimos.

4 SELO (Ap. 6:7,8) – Cavalo amarelo: Morte

Um quarto da população da terra será atingida pela espada, fome, pestes e feras da terra – (Ez. 14:21)

5º SELO (Ap. 6:9-11 – pedido de justiça

Aqui a igreja já terá sido arrebatada porque o anticristo terá poder sobre os crentes que não foram arrebatados. Os crentes que não dobrarem seus joelhos diante do anticristo, sofrerão e serão os mártires da Grande Tribulação; somente serão salvos se confessarem a Cristo.

6º SELO (Ap. 6;12-17) – Terremotos, tremores no planeta Terra

A abertura do sexto selo desencadeará grandes catástrofes na Terra.
O sol se escurecerá, a lua se tornará vermelha como sangue, estrelas cairão, as ilhas imóveis se deslocarão de seus lugares. Haverá grande angústia, calamidade universal.

7º SELO (Ap. 8 e 9) – Toque das trombetas

Manifestação da ira de Deus – (Ap. 8:1,2)

A GRANDE TRIBULAÇÃO – DERRAMAMENTO DA IRA DE DEUS – CONTINUAÇÃO

O TOQUE DAS TROMBETAS – (Ap. 8 e 9)

O sétimo selo é composto dos julgamentos prefigurados nas sete trombetas referem-se à natureza: a terra, o mar, águas doces, corpos celestiais.

1ª Trombeta – (Ap. 8 :7)

1/3 da terra será queimada pela saraiva, fogo e sangue.
1/3 das árvores e de toda erva será queimada. (Ex. 9:23-25)

2ª Trombeta - (Ap. 8:8,9)

Será lançado ao mar algo como grande montanha, ardendo como fogo e 1/3 do mar se tornará em sangue. 1/3 das embarcações serão destruídas. (Sl 46:2; Is. 34:3; Ez. 38:20; Ex 7:20,21).

3ª Trombeta (Ap. 8:10,11) – Vede Rodapé

Cairá do céu uma grande estrela – (Absinto – Jr. 9:15; 23:15) e 1/3 de todas as águas se tornarão amargas.

4ª Trombeta – (Ap. 8:12,13)

1/3 do sol, da lua e das estrelas se escurecerá, provocando desastres ecológicos. (Is 13:10; Ez. 32:7; Jl. 2:10)

5ª Trombeta – (Ap. 9:1-12)

Os juízos de Deus, apontam, agora, diretamente para o homem. Cairá uma estrela do céu com a chave do Poço do Abismo. O sol e o ar se escurecerão, todos os que não tiverem o sinal de Deus em suas frontes serão feridos por gafanhotos com poder de ferir como os escorpiões, com grande tormento, durante cinco meses.
Os homens pedirão a morte, porém esta fugirá deles. (Ex. 10:12-15; Ez. 9:4; Jó 3:21; J1. 2:4; J1. 1:6; J1. 2:5)

6ª Trombeta – (Ap. 9;13-21)

1/3 da humanidade morrerá pelo fogo, fumo e enxofre (v. 18). Esta calamidade cairá sobre aqueles que não conhecem a Deus (V.20). A ira divina se desdobrará com o propósito específico de chamar os homens ao arrependimento (v.20). (Ex 30:1-3; Sl. 115:4-7; Sl. 135: 15-17; Dn. 5:4).

7ª Trombeta – (Ap. 11:15-19; Ap. 15:5-8)

A sétima trombeta consiste de sete flagelos (Ap. 16), mais intensos, que serão lançados em decorrência da ira de Deus conta a besta e seus súditos. Estes sete flagelos consumam a ira de Deus. (Ap. 15:1).
Quando a Bíblia fala 1/3 (um terço), refere-se a permissão dada por Deus para que todas as forças do mal tenham liberdade de ação – (Apoc. 12:3-4).

A GUERRA DO ARMAGEDOM

Armagedom é uma planície entre o mar da Galiléia e a cordilheira do Carmelo.
Na Segunda metade da última semana, Deus derramará seus juízos, cada vez mais severos. Esses juízos virão porque os homens rejeitarão a verdade a ponto de acreditar no engano de injustiça propagado pelo anticristo, o que resultará em sua condenação: “O que se mantém rebelde contra o Filho... sobre ele permanece a ira de Deus”. Jo 3:36; II Ts. 2:8-12; II Pe. 3:1-9. Mesmo depois que se iniciarem os terríveis juízos de Deus, os homens não se arrependerão, porém blasfemarão do Nome de Deus. (Ap. 16:9,11; 9:20,21).

No fim deste período, nações se levantarão contra Israel, Jerusalém será cercada pelos exércitos das nações aliadas sob o domínio do anticristo – (Zc. 14;1-5; Zc. 12:3; Ap. 16:13,14,16). Quando Israel não dispuser mais de nenhum meio de resistência, parecendo que será destruído, nesse momento, invocarão o Nome do Senhor, pedindo socorro _ (Zc. 12:6-11; Is. 64). O Senhor, então se manifestará do céu, vindo como seu Libertador e executando juízo contra seus inimigos (Ez. 3:3-7, 11; Ez. 38:14-22; Zc. 12:9; Zc. 14:12,13).
Cristo pelejará por Israel dando-lhe vitória e implantará seu glorioso governo de mil anos de paz sobre a terra, (Zc. 12:10,13: Zc. 8:1-6,23).

O MILÊNIO - 1ª parte

Será um período de mil anos sob o reinado pessoal de Cristo sobre a terra – (Ap. 12:5; Ap. 19:16; Ap 20:4; Is. 45:4-5; Is. 32:1-5; Jr. 23:3-6).
Começara com a vinda de Jesus para dar vitória a Israel sobre os exércitos inimigos, sobre o Falso profeta e sobre satanás – (Ap.16:12; Ap. 9:16; 17:14; 19:11-21; 20:1-3).
A sede de governo milenar será Jerusalém – (Is. 9:7; Zc. 12:13-14; Mq. 4:1,2; Zc. 2:10)
Para o milênio Jesus virá como Rei e será visto por todos os viventes. Será a 2ª revelação – (At. 1:11; Zc. 14:4; Zc. 2:10).
Será um tempo de alegria, longevidade, prosperidade, comunhão por Deus para Israel – (Is. 65:18-25; Is. 35:1-10; Is. 34:15-17; Is. 60:18-22; Is. 33:24: jr. 31:9,10).

O MILÊNIO - 2ª parte

Reinarão com Cristo

· Os anjos. II Ts. 1:7
· Os salvos. Zc. 14:5; Ap. 17:14; Rm. 8:18,19; Ap. 5:9,10.
· O povo de Israel. Zc. 8:20,23; Is. 9:7.
Jesus Cristo será, pessoalmente, o Rei dos reis em corpo ressurreto. Zc 12:10; Zc. 14:4.

· Os santos do arrebatamento reinarão em corpos ressurreto, corpos espirituais. I Co. 15:44, 51-55; I Ts. 4:14.
· Haverá pregação da palavra de Deus e abundante salvação. Hab. 2:14; Mq. 4:1-5; Ez. 39:7,8: Jr. 24:7; Is. 11:1-10.
· O diabo ficará preso durante o milênio, não podendo exercer a sua influência maligna. Ap. 20:1-3; Ap. 12;7-12.
· A ferocidade dos animais será removida. Is. 11:6-8; Is. 65:25.
· Haverá longevidade. Is. 65:20-22; Zc. 8:4.

FIM DO MILÊNIO – A Batalha Final

Durante o período milenar o homem será exposto às melhores condições espirituais; satanás será preso, Jesus será o Rei Supremo de todo o mundo. No fim deste período, porém satanás será solto “por pouco tempo”, quando muitos o seguirão rebelando-se contra o Senhor Jesus – (Ap. 20:3, 7-9). Deus porá fim a esta rebelião e satanás será condenado e com ele a morte e o inferno para sempre. (Ap. 20:10,14: I Co. 15:550. Deus julgará as nações subvertidas por satanás – (Ap. 20:7-9) e executará o juízo final para os ímpios – o juízo do Grande Trono Branco – (Ap. 20:11-15).

Os Santos comparecerão perante o Tribunal de Cristo para receberem galardão. II Co. 5:10: I Co. 3:11-15.

Tipos de Galardão:

Coroa da vida: Coroa especial de mártir. Tg. 1:12; Ap. 2:10
Coroa de glória: Para os servos fiéis que trabalharam por amor a Deus e às almas. I Pe. 5:2-4; I Ts. 2:19,20; Fl. 4:1; Dn. 12:3; Pv. 11:30.
Coroa da justiça: Para aqueles que amam a vinda de Jesus. II Tm. 4;8
Coroa incorruptível: Para os que venceram a carne e viveram no Espírito. I Co. 9:25-27; Gl. 6:8

CONSUMAÇÃO

NOVOS CÉUS, NOVA TERRA, NOVA JERUSALÉM – (Ap. 21 e 22)

1 –NOVOS CÉUS E NOVA TERRA:

· Os céus e a terra desaparecerão. Is. 51:6; Hb. 1:10-12; Mt.24:35; II Pe. 3:5-12; Ap. 20:11.
· O Senhor criará novos céus e nova terra. Is. 65:17; 66:22; II Pe. 3:13; Ap. 21:5

2 – NOVA JERUSALÉM

· A nova Jerusalém será a sede do governo e o tabernáculo eterno Ap. 21:2,3,10-26; 22:1-5.
· Seu governo eterno será exercido por Deus e por Cristo. II Pe 1:11; I Co. 15:24; Ap. 5:13; Ap. 7:12,17; Ap. 22:1.
· Jesus preparou esta cidade. Jo 14:2
· Será construída no céu. II Co. 5:1,2; Ap 21:2
· Sua iluminação virá do próprio Deus e do Cordeiro. Ap. 21:33; Ap. 22:5; Is. 60:20.
· Será de pedras e metais preciosos, muros de jaspe, rua de ouro e por ela passará o Rio da Água da Vida. Ap. 21:19-21; Ap. 22:1.

Os santos gozarão eternamente a presença de Deus e os incrédulos sofrerão o castigo eterno nas chamas do lago de fogo. Ap. 20:11-15; Ap.; 21:18.
“Maranata ! ora vem, Senhor Jesus”.

AS PROFECIAS DE DANIEL

· Daniel 2:28-45
· Verso 38 – Cabeça de ouro; Império Babilônico
· Verso 39 – 2º Reino: Medo – Persa
· II - 3º Reino: Grécia
· Verso 40 – 4º Reino: Roma – (último reino humano)
· Verso 41 – Dedos diferentes: Ecumenismo
· Verso 43 – Com semente humana: Farão aliança, as diferentes religiões, com objetivo comum; contudo não deixarão suas essências – (o espírita vai continuar o mesmo; bem como os demais; ou seja reino dividido – não se ligarão um ao outro).
· Verso 44 – Reino eterno de Cristo
· Verso 45 – Cristo, a pedra fundamental, supera todos os reinos – (I Cron. 29:12)
· Sem mão: Poder da palavra – Daniel 7:1-8
· Verso 4 – Leão: Império Babilônico
· Verso 5 – Urso: Império Medo – Persa
· II - Três costelas: Lídia, Egito, Babilônia
Verso 6 - Leopardo: Grécia
· II - 4 asas: Conquista aos quatro pontos da terra – (Leste, Oeste, Norte, Sul)
· 4 cabeças: Divisão
· Verso 7 – 4º animal: Império Romano
· II - Dez pontas: Domínio total ( plenitude de poder terreno )
· Verso 8 – Outra ponta/olhos de homem/falava grandiosamente: Anticristo. –

(Apocalipse 12:3)
· Sete = Perfeição; Dez = Totalidade; Chifre = Poder, domínio.
· Sete cabeças e dez chifres = Governo humano perfeito e total.

OBS: Sobre sete montes e dez colinas, está edificada a cidade de Roma, representada espiritualmente pela chamada Igreja Católica Apostólica Romana.

Apocalipse 13:1-18

Verso 1 – Besta = Governo ditatorial
- Mar = Povos desorientados
Nome de blasfêmia = Defesa de ideais anti-bíblicos

Verso 2 – Leopardo, Urso e Leão – Impérios que foram subjugados pelo império romano – (católico).

Verso 11 – chifres semelhantes ao de um cordeiro = falsa aparência de bondade com que despontará o anticristo no cenário mundial. (Ap.6)

Verso 18 – da besta – (governo do anticristo) 666 = A Bíblia nos mostra que seis (6), é o numero dado como referência ao homem, ou seja; Deus criou o homem no sexto dia, e também deu o homem seis dias para trabalhar e fazer toda a sua obra; assim sendo, 666 é um referencial a um ser voltado com exclusividade para si mesmo, ou seja, o homem como o centro das atenções, com absolutismo, posicionando-se como o próprio Deus. Estas são as características do reinado do anticristo - (I Jo 2:22).

OBS: No contexto espiritual, quando a Bíblia fala de prostituição, Deus, refere-se a um povo, liderança, nação etc..., que tendo – o conhecido, abandonou-lhe – (Os. 1:2; 3:1; Deut. 31:16). Conforme sabemos pela ciência histórica, a chamada Igreja Católica Apostólica Romana, foi nos primórdios uma Igreja evangélica, que desviou-se dos estatutos Divinos.
- Mediante as informações já fornecidas, já é possível interpretar os textos seguintes:
- Apoc. 17:1 – 18
- Apoc. 18:20, 24

*Apêndice: - Isaías 21:9
- Apoc. 14:8


OBS.: O sonho do Monarca, interpretado por Daniel, não foi por acaso, que veio em forma de ESTÁTUA. Na verdade , dentre tantas coisas, a revelação mostra que, ali estariam representados todos os reinos que sucederiam, os quais teriam abrangência e/ou influência sobre toda terra, sendo assim, dando prosseguimento, queremos lembrar que a pedra sem mão atinge um local específico (reino específico em atividade); a pedra é Cristo, que manifestar-se-á a Israel, quando o mesmo estiver cercado pelos exércitos do anticristo. A visão (sonho) em forma de estátua (homem), demonstra com clareza uma dispensação , na qual Deus permitirá que reinos dirigidos por homens se levantem; quero lembrar o detalhe de que o reino que será atingido (Dedos= reinado do anticristo), não substitui o seu antecessor, mas levanta-se do meio dele : é o Império Romano (igreja católica apostólica romana), a qual apoiará em 100% o reino anticristão (vide Daniel).

BATALHA ESPIRITUAL - (Dn.10)

- Um dia a harmonia do universo foi quebrada por uma das criaturas de Deus; que fazendo uso do seu livre arbítrio, resolveu rebelar-se: Isaías 14:5-20; Ezequiel 28:1-19.
- O Querubim que rebelou-se, convenceu outros Anjos a tomarem parte em sua profanação: Apocalipse 12:3,4a.
- Nem todos os rebelados estão livres, mas um dia todos serão soltos para cumprimento dos designos de Deus – (Apoc. 9:1-12).
- O império das trevas estava quase absoluto; quando os Reis Magos avistaram uma nova estrela, revelando que um novo império despontará – (Mateus 2:1-12).

O PODER DO NOVO E ETERNO IMPÉRIO

- Isaías 61:1-3 / Mateus 28:18 / Marcos 16:17,18 / Lucas 10:19

A ARMADURA DO NOVO IMPÉRIO

- Efésios 6:10-18 – Mt.10:34

O CAMPO DE BATALHA – (Mente (entendimento) humano)

- II Coríntios 4:3,4 / 10:4-6 / Romanos 12:1,2 / Jo. 16:7-14

A VITÓRIA

- Apocalipse 12:7-11 / 22:14.


ORAÇAÕ (Pv. 15:29); ( Pv. 8:17)

- Dn. 9:1-5 – Devemos orar baseados na própria palavra; pois Deus tem compromisso com sua palavra, e isto é buscar o Reino de Deus e a Sua justiça em primeiro lugar – (Mt. 6:33).
- Dn. 10:12 / Hb. 4:14-16 – Devemos abrir a boca e colocar diante de Deus o que vai no nosso coração; não somente dizer: Deus sabe de todas as coisas; pois Deus estende o Seu braço conforme o clamor do seu povo – (Sl. 91:15).
- Dn. 6:5-10 – O diabo juntamente com seus escravos, estarão todo tempo tentando impedir nossa comunhão com o Pai; pois sempre que oramos alguma coisa acontece – (Atos 4:31).
- Os. 5:15 – As vezes Deus nos permite chegar a angústias, para que reconheçamos que somos dependentes dele.
*A oração é a chave do avivamento e das revelações de Deus – Mt. 6:6 / Jr. 33:3
· Mt. 26:36 , Mc. 6:46 – Não basta termos os momentos coletivos de oração; não basta conhecermos o Deus de toda Igreja; é necessário conhecermos o nosso Deus pessoal – (Sl. 91:2).
· Mt. 26:41 – A oração nos inclina as coisas do Espírito
· Luc. 6:12,13 – Em honra de decisão
· Luc. 18:1 / I Tess. 5:17 – Dever do cristão
· Atos 16:25,26 – liberta outra vidas(Paulo/Silas).
· Jo 15:7 – Garantia de resposta
· Is. 59:1,2 – Impedimento à oração
· I Jo 1:9 – Restauração da comunhão


E S C L A R E C I M E N T O S

1 – Gêneses 1:1-2 e Isaías 45:18
Vemos em Isaías uma declaração bíblica de que Deus não criou a terra para ser desabitada – (caos ou desordem), isto é lógico, pois todas as criações de Deus têm objetivas definidas. Em Gênesis vemos a declaração de que a terra por algum motivo tornou-se sem forma e vazia, e o SENHOR, conforme revela Gênesis, a recriou. Ora, um Deus Onisciente, que sabe o produto final de seus intentos, jamais faria algo para depois dar retoques finais, pois aí estaria comprometida a sua Onisciência e a sua Onipotência, observemos.

Alguns (como eu), crêem que, em virtude da rebelião de Lúcifer, a harmonia de toda criação foi abalada, daí veio a desordem, necessitando então da recriação.
Outros crêem que teria ocorrido a queda de um grande meteoro, o qual teria tornado a terra caótica. Este fato é totalmente improvável, pois todas as coisas visíveis, vieram a existência do invisível, ou seja , pelo poder de Deus – (Hb 11:3), portanto não podemos crer, que Deus falharia, e a sua própria criação entraria em choque.
Alguns outros dizem Ter sido nesta primeira terra em que tenha existido os grandes dinossauros – (isto tem fundamento), e atribuem a destruição da primeira terra a outros fatores científicos.

2 – VESTES: Costume Judeu – DEUT.22:5

O contexto do verso acima, definitivamente não está ligado a modelos de roupas : pois no tempo citado, conforme revela a História, todos os modelos de vestes eram IGUAIS, diferindo EXCLUSIVAMENTE nas CORES, ou seja: roupas claras para os homens e escuras para as mulheres.
(Não há regra de vestes para a Igreja, devemos ser moderados).

3 - VÉU - (costume judeu e romano) – I Cor. 11:1-10

Desde os tempos de Abraão já detectamos esse costume de a mulher Ter o véu sobre a sua cabeça, mas nunca vemos isto vinculado ao aspecto religioso, jamais, mas somente a um costume social.
Analisando a passagem em epígrafe, podemos entendê-la da seguinte maneira: A mulher deve Ter sobre a cabeça sinal de submissão por causa dos ministros – (pastores, líderes).
Em fim a História nos revela que o uso do véu era um costume social, nada absolutamente a ver com o aspecto religioso (Jesus nunca falou sobre isto).

4 – JESUS, o Filho GERADO: Jo. 3:16/Hb.1:4-8/Sl.2:6-10/I Jo.5:1.

Em João 3:16, vemos o aparecimento da palavra FILHO e UNIGÊNITO:

Se há Filho, então há um Pai
Se é unigênito, significa ter o mesmo código genético, ser descendente; portanto Jesus não foi criado, mas gerado, a prova disto é que Jesus possui também os atributos que são exclusivos da DIVINDADE, ou seja: Onisciência, Onipotência e Onipresença.

5 – Rebelião de Lúcifer: Isaías 14: 12-15 / Ezequiel 28: 11-19

É bom notar o aparecimento da expressão, serei SEMELHANTE ao Altíssimo, logicamente lúcifer não ambicionou o trono do Deus Pai, pois todos sempre souberam que isso é impossível, a divindade não pode ser tentada pelo mal, e a expressão semelhante, encerra qualquer outro ponto de vista.

a) - Acredita-se que lúcifer tenha ambicionado uma posição – (não podemos afirmar qual), que o colocaria sobre todos os demais seres angelicais, visto aparecer a expressão: acima das estrelas de Deus me exaltarei – (sabemos que estrela é símbolo de anjo também).

6 – Sacrifícios humanos: Juizes 11: 29-40

(refutação Lv. 18:21 / Deut. 18:9 / Experiência de Abraão).

Definição do dicionário:

1 – Imolação – (sacrifício) de vítima por fogo.
2- Sacrifício: Ato que envolve RENÚNCIA, ABNEGAÇÃO ou SOFRIMENTO em favor de outrem.

Considerando, que Deus jamais aceitaria sacrifício de vidas humanas, vamos analisar os fatos.
· O verso 37, seria sem lógica, se a vítima fosse realmente ser morta, e o verso 39 mostra qual foi o holocausto ou sacrifício ocorrido, a vítima ficou virgem, fato de grande vergonha na cultura israelense.

7 – Saul e a Pitonisa – (feiticeira): I Samuel 28: 1-20

a) Alguns levantam dúvidas quanto ao texto, porém outros demonstram total desqualificação, quando dizem que Deus abriu uma exceção e permitiu Samuel retornar – (isto sim é que é absurdo).
b) Notar a expressão, “entendendo Saul que era Samuel”, ou seja, Saul nada viu, simplesmente foi enganado por uma antiga prática espírita.

– SAUL: morte ou suicídio?
c) I Samuel 31: 1-5 / b) II Samuel 1:1-10

O fim desta polêmica é simples:
Na passagem (a) a Bíblia afirma que Saul suicidou-se. E na passagem (b), a Bíblia narra o que o homem disse ao rei Davi, sem se prender a veracidade ou não dos fatos.
Acredita-se que o amalequita tenha mentido a Davi, esperando receber alguma recompensa; pois todos sabiam que Saul perseguia a Davi, porém, por sua mentira recebeu a morte. Não há dúvida, Saul acabou em suicídio.

9 – Seria Judas, um traidor, irremediavelmente perdido?

a) Salmo 41: 5-9. Vemos aqui uma passagem que muitos tem atribuído a Judas, porém, também sabemos que esta narrativa de Davi, é muito específica a AITOFEL, conselheiro, abandonando, então o Rei Davi – (II Sm.16:15...).
Analogicamente esta passagem tem sido atribuída a Judas, o que daria a uma primeira vista grande força aos confusos da predestinação, porém, a realidade é outra bem diferente.

b) Mateus 26:23,24, o Senhor Jesus deixa óbvio, que Ele subiria naquela cruz, independentemente de quaisquer traição – (pois para isso é que Ele veio ao mundo), Ele disse: O Filho do homem vai como dele está escrito, mas ai daquele por quem ele é traído; ou seja: Ai deste, visto não ser uma determinação divina, mas uma opção voluntária.
Segundo ponto é que o Senhor diz: Bom seria para este homem se não houvesse nascido, quer dizer: não faria diferença alguma se existisse um Judas ou não. A traição jamais foi uma determinação, pois se assim fosse teríamos que atribuir sobre Judas a impossibilidade de conversão – (isto é impossível e absurdo), João 3:16, diz que Deus amou o Mundo, e Judas estava incluído nisto.

c) João 13:18 – Jesus aqui, faz uso da passagem do salmo, contudo, é muito importante entender que a profecia contém a Onisciência de Deus, com o conhecimento de saber o futuro, todavia a profecia não determina um fato, o que é extremamente diferente. (EX. A.C).

10 – Teria Deus impedido a Faraó de crer?

a) Exodo 7:3, Considerando o contexto geral das Escrituras, já nos seria custoso crer, que Deus, desejoso de salvar, impediria algum homem de reconhecer sua soberania e vontade.
b) Ezequiel 18:23/ 18:32 / 33;11, mostram a vontade de Deus.
c) II Tessalonicenses cap. O2, nos esclarece que, quando alguém reluta contra os propósitos e amor de Deus, o Senhor lhes permite a operação do erro.

11) MORTE – (separação).

a. Gn. 2:15.17
b. Is. 59:1.2
c. Ef. 2:1,6
d. Mt.26:36,44 / 27:45,46
e. Ap.20:11,15 / 21,8

12) O enviar de Cristo.

a. Jo. 20:21
b. Lc. 10:1,24
c. Is. 61:1,4
d. Mc.16:15,20

13) – Figueira, Videira e Oliveira.

a. Jz. 9:7,21
b. Hc. 3:17,19
c. Mt.21:19 / 24:23,35
d. Mc.11:12,14

OBS: Israel seria a Nação Sacerdotal – (Os. 4:6)

14- Romanos 2:12,16 – (Critérios de Julgamento)
15- Lucas 16:19,31 – (Rico e Lázaro)
16- Mateus 25;1,13 – (as 10 virgens)

ALGUMAS DEFINIÇÕES

1-Concupiscência (Gálatas 5:16)
a- apetite sexual, sensualidade / b- grande desejo de bens ou gozos materiais.

2-Adultério (Êxodo 20:14 / Mateus 5:27 – 30)
a- União sexual entre pessoas já ligadas a outrem pelo vínculo matrimonial; infidelidade conjugal.
b-Dicionário: 1- que viola a fidelidade conjugal. / 2- falso. / 3- corrupto.

3-Prostituição (Gálatas 5:19 / Rm. 1 : 28 – 32)
_ Comércio de práticas sexuais.

4-Fornicação / fornicador (Ef. 5:1 – 9)
_ Fornicar: ter relações sexuais com ...
OBS.: O pecado do fato, consiste em que, o relacionamento NÃO seja assumido e compromissado, contrariando a Palavra, quando nos adverte a ser sim, sim, e não, não. É um relacionamento não admitido, obscuro, e as escuras.

5-Casar-se: Unir-se por casamento (bodas), ou seja: compromisso assumido perante TUDO, e TODOS (Gn.24: 63 –67), dentro das Leis modernas, este compromisso tem reconhecimento ATÉ perante o Estado Legal, muito embora as Leis de Deus não precisem em absoluto de nenhum reconhecimento do Estado.



Seminário Teológico
GERAÇÃO JESUS CRISTO

ÍNDICE


SIMBOLOGIA

A BÍBLIA E A CIÊNCIA

TÍTULOS JEOVÍSTICOS

COMO INTERPRETAR A BÍBLIA

NUMEROLOGIA BÍBLICA

TIPOLOGIAS

A QUESTÃO DO JEJUM

CASAMENTO X REG. DE CASAMENTO

Estaremos iniciando a seguir um estudo de EXTREMA necessidade, tal estudo evita erros doutrinários, idolatrias, acrescenta profundo conhecimento bíblico, e permite a interpretação de boa parte de APOCALIPSE.

BEM-VINDO A GLORIOSA SIMBOLOGIA BÍBLICA

Alguns dos símbolos que ora apresentamos, podem, dependendo do contexto em que venha inserido, apresentarem dupla interpretação, portanto, como nunca , não despreze jamais o contexto do texto.
O EVANGELHO, conforme a visão de EZEQUIEL 1:1-14, e conforme o contexto histórico, pode ser visto da seguinte maneira.

MT – face de leão, objetivo: JUDEUS
MC – face de boi, objetivo : ROMANOS
LC - face de homem, objetivo : GREGOS
JO - face de águia, objetivo : IGREJA

MATEUS apresenta Jesus como descendente de Judá, daí dizer que Ele é o Leão da tribo de Judá, visto também ser o leão símbolo estampado na bandeira desta tribo. Os Judeus jamais aceitariam um MESSIAS, que não fosse descendente desta tribo, cuja genealogia não passasse por DAVI. OBS.: O EVANGELHO DE MATEUS É O QUE MAIS CITAÇÃO POSSUI DO ANTIGO TESTAMENTO, provando assim, na pessoa do Senhor Jesus, que as profecias estariam cumpridas.

MARCOS, visando alcançar o povo romano, no qual havia grande ideal de serviço ao Estado, apresenta Jesus como o homem que não veio para ser servido, mas para servir (Mc. 10: 45). Como servo, em marcos não é apresentada genealogia.(face de boi).

LUCAS, visando alcançar os gregos, que pela Filosofia, buscavam o ideal do homem-perfeito, apresenta Jesus como o Filho do Homem, e remonta sua genealogia até adão.(fica provado que Jesus foi um homem perfeito).

JOÃO, escrito para a Igreja, apresenta Jesus como o Filho de Deus, o verbo ( palavra em ação / executor de deus). João não se preocupa em narrar milagres, visto que a Igreja de Cristo não precisa de ouvi-los para ser edificada, é a águia ( espiritualidade).


Símbolos

ANJO : Mensageiro, ministrador ( Hb. 1:14) . As cartas de Apocalipse dizem de lideranças de homens constituídas por Deus ( vide as cartas). O anjo referido em Ex. 23:20, e Ex. 33, é simplesmente Josué, substituto de Moisés.

Água = palavra - Gn. 1:2 / Dt. 8:15 / Jô.3:5, 4:14, 7:38 / Apoc. 22:17
Água = povos - Apoc. 17: 15
Areia = povos – Gn. 22:17 / Is. 10:22 / Os. 1:10
Árvores = homens – Jz. 9 / Sl. 1. / Jr. 17:8 / Mt. 7:17 / Lc. 6:43
Águias = espirituais – Mt.24:28 / Lc. 17:37
Animais = reinos – Dn.7 e 8 / Apoc.: 13:2
Anel = autoridade – Gn.: 41:42 / Éster 3:10 / Dn.:6:17 / Lc.: 15:22
Azeite = unção ( capacitação ). Ex.:30:25 / I Sm.: 16 / Mt.: 25:4
Balança = justiça / juízo – I Sm.:2:3 / Pv.: 11:1 / Dn.: 5:27
Castiçal = Igreja / palavra = lâmpada – Sl. 119:105 / Mt. 25 / Apoc. 1:20
Crianças / pequeninos = discípulos – Mt. 18: 3, 4 / Mt. 19:14
Carne = atitudes contrárias a palavra de Cristo – Gl. 5:17
Cauda = traição / rebelião – Apoc. 12:4
Diabo = dragão / serpente – Gn. 3:15 / Mc. 16:18 / Lc.10:19 / Ap.20:2
Estrela = posição espiritual [ anjo, homens, demônios] – Ap.1:20 / 12:4 / Mt.24:29
Espada = palavra – Mt.10:34 / Hb.4:12
Figueira = Israel – Jr. 8:13 / Hc.3:17
Figos = filhos de Israel – Jr. 24:1
Figueira, Videira , Oliveira = Trindade – Jz. 9 / Jo. 15: 1,2
Vide = eleitos – Is: 5: 1-7
Fogo = juízo ( aprovação / reprovação ) – Gn. 19:24 / Lv.9:24 / Dt. 4:24 / I Rs.18:38 / II Cr.7:1
Martelo = palavra – Jr. 23:29
Morte = separação, perda da comunhão – Gn. 2:17 / Is.59:1-2 / Mt.27:46 / Ap.1:18
Nu = Morte ( sem graça e comunhão) – Gn.3:7 / Ap.3:17 / Ap.16:15
Nuvem = presença de Deus – Ex.13:21 / Nm.9:15 / Mt.17:5 / At.1:9
Pão = ( provisão / necessidade diária ) – Ex.16:4 / Ecl.11:1
Pó = pecado – Gn.3:14
Ponta / chifres = domínio / nações – Dn.7 / 8:3
Rede = palavra de Deus ( mensagem ) – Mt. 13:47
Rocha / pedra = Cristo – Dt.8:15 / Dn.2:35 / Mt.21:42 / At.4:11 / I Cor.10:4
Trovão = voz do Senhor – Sl.18:13 / Sl.29:3 / II Sm.22:14
Vaso = servo – Sl.31:12 / Jr.18:4 / I Ts.4:4 / II Tm.2:21 / I Pe.3:7
Véu = reverência / respeito / restrição / submissão – Gn.24:65 / Lv.16:2 / Mt.27:51 / I Cor.11:5, 6, 13.
Virgem = Igreja ( Mt.25 ) / Jerusalém ( Is.37:22 )

OBSERVAÇÃO: É bem possível, que quando em Is.7:14, o Senhor diz que a virgem daria à luz um filho, que os judeus apenas esperassem por um Messias nascido na cidade de Jerusalém e nada mais, contudo Deus, que é transcendental, cumpriu esta promessa literalmente.


SIMBOLOGIA DAS CORES

As cores são muito diversas e podem apresentar muitos significados, porém são poucas as cores básicas com grandes sentidos.

BRANCA : De modo geral representa a paz, todavia na dispensação do anticristo, significará a FALSA PAZ, que somente a Igreja entenderá ( Ap.: 6:2 ).

VERMELHA : De modo geral, vitória pelo sangue do cordeiro, todavia na dispensação do anticristo, significará a guerra ( Ap. 6:4 ), derramamento de sangue.

PRETA : De um modo geral significa luto e morte, todavia, no reinado do anticristo significará FOME, que é sofrimento ( Ap.: 6:5,6) – ( Ap.: 9:6 ).

AMARELO : De modo geral representa riquezas ( minerais), em fim, a realeza; contudo, no reinado do anticristo, significará a própria morte ( Ap.6:8 ).

OBS.: O que é uma DISPENSAÇÃO ?

R: È um período de tempo ( histórico / espiritual ), em que Deus trata com a humanidade, ou um povo, de uma determinada forma ou maneira.
Ex.: INOCÊNCIA / LEI / CONSCIÊNCIA / REIS / SACERDÓCIO ( SOB ROMA) / GRAÇA ( DISP. DA FÉ ) / REINO DO A.C. / MILÊNIO.

A BÍBLIA E A CIÊNCIA

1 – Esfericidade da terra . Is. 40:22
2 – As estrelas são incontáveis. Jr.33:22
3 – O Universo envelhecendo. Sl.102:25 – 27 /Hb.l:10,11
4 – Fogo no interior da terra. Jó 28:5
5 – O frio vem do norte. Jó 37:9
6 – O vento vem do sul. Jó 37:9
7 – A terra suspensa no espaça. Jó 26:7
8 - O ar tem peso. Jó 28:25
9 - O vento se movimenta em círculos. Ecl. 1:6

ANTROPOMORFISMO E ANTROPOPATISMO
É o ensino sobre Deus, expresso em linguagem humana ( ISm.15:11 X ISm.15:29 ).

IRONIA: Eis que o homem é como um de nós – Gn.3:22

Títulos Jeovísticos ( YHVH – raiz do verbo SER, tradução : SENHOR... )...

- Jeová tsabaoth : Senhor dos exércitos – ISm. 17:47
- Jeová jirê : Senhor que provê – Gn. 22:14
- Jeová rafá : Senhor que cura – Ex.15:26
- Jeová nissi : Senhor nossa bandeira ( guia ) – Ex.17:15
- Jeová shalom : Senhor é paz – Jz.6:24
- Jeová tsidknu : Senhor justiça nossa – Jr.23:6
- Jeová shammá : Senhor está presente – Ez.48:35
- El / Ely / Eloi = Deus
- El Shaddai = Deus Todo Poderoso
- El Elyon = Deus Altíssimo

YOSHUA HAMASHIHA = JESUS O MESSIAS

Como interpretar a Bíblia

- A Bíblia é composta de contextos histórico, espirituais e proféticos.
- É composta de 66 ( sessenta e seis livros).
- Cada livro é subdividido em capítulos.
- Cada capítulo é subdividido em versículos

Para uma boa interpretação bíblica, é necessário NÃO fugir a seguinte regra básica:
Cada VERSÍCULO, só poderá ter sentido dentro de seu próprio CAPÍTULO, que por sua vez só tem sentido dentro do objetivo do seu próprio LIVRO, que em fim, somente terá sentido se concordar com o objetivo GERAL da ESCRITURA, ou seja, formar uma perfeita harmonia com os 66 (sessenta e seis ) livros restantes, pois de Gênesis a Apocalipse a Bíblia é CRISTOCÊNTRICA.

EXEGESE : É, buscar o sentido da palavra dentro do seu CONTEXTO.
Ex. vide sentido da palavra “salvo” em ATOS : 16: 23 – 34.

HERMENÊUTICA: É a arte da interpretação do texto.
Ex.: Mt.14:13-21 / Mc.6:30 –44 / Lc.9:10-17 / Jô.6:1- 14
1) Quem perguntou onde comprar pão ?
2) Quem tinha cinco pães e dois peixes ?
3) De que eram feitos esses pães ?

TEOFANIA : Estudo concernente às aparições de Jesus no Antigo Testamento.
- Gn.22: 11,12 / 16:5 – 13 / 18:1 – 8 / Js.5: 13 – 15 / Jz.6:11 – 24.

ATENÇÃO: Todos os estudos contidos nesta apostila podem livremente se reproduzidos , é herança ao estudioso povo do Senhor.

NUMEROLOGIA BÍBLICA

Os números na Bíblia, falam tão profundamente quanto as palavras, e aqueles que atentarem para este fato descubrirão detalhes, que os levarão a altíssimas posições espirituais.
O NÚMERO 1 : Representa o absoluto, ou seja, NADA que Deus organize, virá com duas lideranças, JAMAIS; pois aonde houver mais de UMA cabeça, nisto estará predito também uma divisão.
O número um também registra a exceção, quando trata-se de um fato, no qual claramente entendemos os propósitos de Deus, por exemplo: quando Deus permitiu que satanás tocasse na vida de JÓ. Este foi um fato singular, em que Deus permitiu que o mal assolasse a vida de um homem que lhe era, em tudo, fiel. Este episódio NUNCA mais será repetido; e hoje vemos com muita clareza esta retórica ( Lc. 10:19).

O NÚMERO 2 : Representa apoio, confirmação, e testemunho. Jesus enviou os discípulos de dois em dois, e todas as legislações sempre solicitaram duas testemunhas (Mc.6:7 / Mt.18:15 – 17). Também o dois representa uma situação confirmada por Deus, na qual Ele tem pressa em realizar ( Gn.41:1 – 8, 25 – 36).

O NÚMERO 3 : representa uma operação da Suprema Trindade, ao mesmo tempo que denota domínio espiritual. Por exemplo, o número simbólico da Besta é 666 ( três vezes o seis) – Atos 10; 14 – 16.

O NÚMERO 4 : Reporta-nos aos pontos cardeais, prefigurando uma operação que abrangerá TODA a terra ( Ez. 1:5 / Ap.4:6 / Dn.7:3 ).

O NÚMERO 5 : Lembra-nos os dedos da mão do homem, prefigurando uma situação em que o livre arbítrio( decisão humana), será necessário( Mt.25:2 /Ap.9:1 – 5).

O NÚMERO 6 : É o número referente ao homem. Deus criou o homem no sexto dia, deu-lhe seis dias para trabalhar. A Bíblia contém 66 livros , que é a revelação dada ao homem. OBS.: em Mt.6:6, encontramos o centro da vontade de Deus.

O NÚMERO 7 : Representa a perfeição (ONISCIÊNCIA).
Além do número sete representar a onisciência divina, pode também, muitas vezes, estar relacionado com qualquer outro fato, que terá uma ação perfeita ( Js.6:4 / Sl.119:164 / Is.30:25,26).

O NÚMERO 8: Representa um novo marco, o início de uma nova influência.
Ex.: Profecia de I Reis 13 ( Josias, quase 300 anos ); começou a reinar com OITO anos (II Reis 22 ), e mandou restaurar o Templo. Ajuntou o povo e renovou o pacto do Senhor ( II Reis 23). Levantou-se contra fatos profanos ( II Reis 23 : 15 – 30 ) – Antes dele não houve rei semelhante que se convertesse ao Senhor de todo coração . DAVI foi o oitavo filho de Gesse ( I Sm. 16: 10 – 11), é considerado o precursor do Messias ( Mt.12:23).
Com Noé foram salvas oito almas, das quais reiniciou a raça humana (I Pe.1:20 / Gn. 6).
A Besta é o oitavo reino, e abrangerá toda terra , influenciando toda a história humana ( Ap.:17:11).

O NÚMERO 9: O nove pode representar o cumprimento de uma promessa ou aliança. ( Mc.15:34 – hora nona / Gn.17 – Abraão, 99 anos – Sara 90 anos / A mulher aguarda nove meses para dar a luz).

O NÚMERO 10: representa a TOTALIDADE, sendo uma operação concluída pelas mãos humanas ( lembrar dos dedos ). ( vide Mt. 25 , e Ap.12:3 ). Também abrange toda terra.

O NÚMERO 11 : Representa uma submissão involuntária.
Em Gn. 37, o sonho de José mostra que seus irmãos, mesmo contrariados, teriam que se curvarem perante ele( foi mostrado onze estrelas, e Benjamim ainda não nascera).
Em Ez.30:20 – 31:1, demonstra que Deus imporia jugo sobre o Egito, fazendo-o cativo.
Em Dn. 7:8, Deus submeterá o mundo ao reino do A.C. ( até a Igreja que não for levada) - Vide II Ts 2: 1 – 12 .

O NÚMERO 12: Representa a plenitude ( uma operação direta da divindade).
-Deus dividiu Israel em 12 tribos.
-Jesus escolheu 12 apóstolos.
-Na multiplicação dos pães sobejaram 12 cestos.
-Apocalipse fala de 12 portas e 12 fundamentos.

DETALHE : Quando o Senhor Jesus diz que deveríamos perdoar 70 X 7 = 490, isto não é apenas um jogo ilógico de números, mas revela que, ao se cumprirem os 490 anos da semana profética de Daniel, Ele (Jesus), virá sobre o Monte das Oliveiras e dará perdão a toda nação de Israel em apenas um dia.(Ez.36:16 – 37 / Zc.3:9 / Zc.14 / Rm.11:25 – 32).

SEMINÁRIO TEOLÓGICO GERAÇÃO JESUS CRISTO
(Direção Geral: Pr. Tupirani H. Lores )

TIPOLOGIA ( ESTUDO DE UMA SITUAÇÃO QUE EXEMPLIFICA OUTRA)

Dentre uma infinidade de maravilhas que podemos colher com o estudo das tipologias, a principal é podermos chegar à conclusão de coisas que ainda sucederão. Também veremos com muita clareza, a causa da destruição e sofrimentos ferrenhos da nação de ISRAEL (Os. 4:6).

ABRAÃO, A TIPOLOGIA DO PRÓPRIO DEUS
1- Disposto a entregar o próprio filho.

JOSÉ, UM TIPO PERFEITO DE CRISTO
1- Invejado pelos próprios irmãos.
2- Vendido por preço de escravo.
3- Traído pelos próprios irmãos por inveja.
4- Entregue nas mãos de um povo estranho.
5- Revelou-se segunda vez para livrar e perdoar.
6- Provou o seu povo até lhes descobrir o coração.

MOISÉS, A TIPIFICAÇÃO DO LIBERTADOR (JESUS)
1- Criado no meio de uma geração corrompida.
2- O sentido do nome.
3- Liberta o povo da escravidão.
4- Provê sustento no deserto.
5- Não faz o povo herdar a terra (substituído).
6- Foi arrebatado.
7- Pré-anunciado pelo céu.
8- Relutou ao chamado.
9- Intercessor.
10-Encontra resistência para libertar.
11-Casou com uma mulher de povo estranho.

ELIAS, A TIPIFICAÇÃO DA PRÓPRIA DIVINDADE (I Reis 17 e 18)
Muitos não compreendem o porquê de Elias ter matado os 450 profetas de Baal, e ainda dizem que esta seria uma ótima oportunidade para lhes ter pregado a palavra e anunciado o grande Deus de Israel. Tudo bem, mas vejamos o outro lado:

Estudando os trechos da vida de Elias vemos com toda certeza, que o mesmo esta na representação do próprio Deus; Israel está em meio a idolatria, se curvando a Baal, e a palavra revela que os idólatras não herdarão o reino de Deus, então Deus, mostra o seu implacável juízo contra a idolatria.

Demonstrando sua tremenda posição, Elias diz: por três anos e meio não haverá chuva sobre a terra, este período foi terrível a ponto de mães cozinharem os próprios filhos. Como chuva também significa a graça de Deus, estes três anos e meio sem chuva representam os três anos e meio da Grande Tribulação, onde o espírito da graça estará ausente e horrores sucederão sobre a terra.
· O episódio anterior está relacionado com o sucessor de Elias, Eliseu, o qual também amaldiçoou os meninos que, foram devorados pelas ursas: os meninos representam os discípulos indefesos que não forem arrebatados; as ursas representam o império da Besta( Besta e Falso Profeta), que martirizará os que ficarem, e Eliseu pode representar o Espírito Santo(substituto), que se vinga dos que não O levaram a sério.
DAVI, UM REINADO PREFIGURANTE AO DE CRISTO ( Samuel e Reis )
1-Chamado em condições improváveis.
2-Desprezado pelos irmãos
3-Passou na prova ( Golias) - ( Satanás Mt. 4)
4-Fugitivo com ameaça de morte.
5- Rei, Sacerdote, e profeta (ouro/incenso/mirra ).
6-Deixa encargos a diante.
7-Traído por amigo íntimo ( Sl.38:11 / 41:9, etc...)
8-Clamor de profundas dores e abandono ( Sl.22)
9-Despiu-se das vestes reais, tomando aparência comum.

JOSUÉ: UM TIPO DO ESPÍRITO SANTO
1-Foi dito ao povo: adiante de vós eu envio o meu anjo ( Josué, Ex.)
Foi dito: não lhe provoqueis a ira, não terá misericórdia.
a) Jesus disse, que quem pecasse contra o Espírito santo não teria perdão.
2) Josué disse: Eu e a minha casa serviremos ao Senhor (o E.S. só aceita como casa o
que serve ao Senhor.)
3) O zelo do E.S. será mostrado no dia do arrebatamento, quando sem misericórdia, deixará os crentes fracos.

JOÃO BATISTA, A TIPIFICAÇÃO DA IGREJA

1-Poderia ter prosseguido dentro de um sistema natural.
2-Foi para o deserto (dificuldades).
3-Anunciava o que fora ANTES dele, e ao mesmo tempo o que virá.
4-Foi martirizado ( somos entregues a morte todo dia)

. DETALHE PARA COMPREENSÃO: Deus enviou um libertador ao Egito para fazer com que um povo herdasse a terra prometida, TODAVIA, entre a promessa e o seu cumprimento, havia um grande DESERTO, onde inúmeras provas foram realizadas e muitos não foram aprovados, sucumbindo no DESERTO. No NT. o Egito é o mundo, a terra prometida é a salvação. O DESERTO é a atual situação em que vive a IGREJA.

O povo evangélico dos dias atuais, continua fazendo jús a palavra de Oséias 4:6, que diz: o meu povo foi destruído porque lhe faltou o CONHECIMENTO. (Ao que parece o grande problema vem perpetuando-se (Oséias 4:6 e 6:6).
Em todo o tempo insistimos em dizer que vivemos na graça (Ef. 2:8), mas não abrimos mão dos nossos legalismos pessoais, estamos sempre a buscar uma auto-justificação, procurando alcançar Deus, por nossos próprios méritos, e não recebê-lo mediante graça (favor imerecido).
Em João 5:39, o Senhor Jesus não nos manda a uma simples leitura das Escrituras, mas a um EXAME. Examinar não é simplesmente ler.
A exemplo disto vemos em Atos 8:26, 40, quando Filipe é enviado a falar ao eunuco, ele pergunta: entendes tu o que lês? Ora, se uma simples leitura bíblica fosse o suficiente para a compreensão das narrativas, a pergunta não teria fundamento. Porém a resposta do eunuco, é clara: como entenderei se não há quem me explique.
O fato acima nos trás justificativa ao que Paulo escreve, que uns são para doutores, outros mestres, outros operadores de maravilhas, em fim, Deus é quem levanta os seus ministros (I Cor. 12:7-11).
Concluindo então, fica claro que não basta uma simples leitura, para afirmarmos o que a Bíblia diz. A Bíblia só passa a ser a palavra de Deus, depois de orarmos, meditarmos, compararmos, pesquisarmos, compreender os costumes de épocas, contextos e cenários em que determinadas expressões e atos vieram a existência, e depois de plenamente convictos, sermos em fim capazes de apostar a vida no que ora concluímos. Isto, é claro, não é da noite para o dia, como alguns ignorantemente tentam fazer, caindo em abismos e puxando outros.
Por falta de conhecimento dos fatos descritos, é que muitos têm se extraviado por seus próprios caminhos, e ao invés de santos tornam-se loucos, e daí partem os absurdos como:
Um diz que as mulheres não podem cortar o cabelo, e dizem que está na Bíblia.
Outros dizem que as mulheres têm que usar o véu.
Criam padrões de vestes para a Igreja e, incrivelmente, dizem que está na Bíblia.
Fazem exaustivas campanhas exploradas, e dizem estar na Bíblia.
Dizem-se até predestinados desde o ventre...
Dizem que o Pai, Filho e Espírito Santo são um...
Bem, estes e outros fatos profanos fazem parte da equivocada vida de muitos, porque pensam que em uma simples e superficial leitura, podem entender o que diz a Bíblia. A exemplo do eunuco, eles não entendem o que lêem.
OUTROS EXEMPLOS
Em Habacuque 3:17, o profeta diz: Ainda que a figueira não floresça. Ora, nós nunca vimos uma figueira florescer, seus frutos nascem direto do caule; então o que o profeta estaria dizendo na verdade?
Em Mt.21:19, O Senhor Jesus amaldiçoou uma figueira porque não tinha figo (mas não era tempo de figo), então, o que diríamos, que ato insano? Eu pergunto: Entendes o que lês?
Juízes 9:10, Mateus 24:32, Marcos 13:38, Lucas 13:06, e outras passagens nos falam da figueira, daí, eu repito: Examinai, e não somente ler.
Figueira = Nação de Israel
Florescer = corresponder aos desígnios divinos
Não nascer mais fruto = João 1:11, 12 (amaldiçoados).
Muito bem, espero que esta pequena introdução seja suficiente para provar-lhe que, talvez hoje você esteja praticando muitas coisas, e que pensa até estar agradando a Deus, mas na verdade Deus não está nem aí; pois o compromisso de Deus é com a sua palavra (Jeremias 1:12).
Deus não tem compromisso com nossos legalismos, ou auto suficiências, ou ainda com as ignorâncias que os seres humanos venham criar para se auto-justificarem perante o Senhor. Deus não leva em conta o tempo da ignorância, mas também não é culpado por ela (At. 17:30)
Deus não aceita que O sirvamos como queiramos, mas somente como ele mesmo determina em sua palavra.
VAMOS A QUESTÃO DO JEJUM – ISAIAS 58. 1, 12
O primeiro erro dos meus diletos irmãos, constitui-se em dizer que, Moisés jejuou 40 dias e 40 noites, o que é impossível a qualquer ser humano (Ex. 24:15,18), e examinando Deut.9:9-19, concluímos que o suposto jejum durou na verdade 80 dias. A minha pergunta é simples... Isto é possível?
Não existe nenhum ser humano que possa passar sete dias sem beber água, o que dizer de 40 dias. Como poderemos ser tão inocentes, ou quem sabe irmos a um estado de loucura mais profundo, e não considerar Moisés um homem.
ANALIZANDO FATOS E DICIONÁRIOS CONCLUIMOS;
Jejum: É uma determinação de alguém em abster-se de gêneros alimentícios ( é a
própria pessoa que se auto programa ao fato).
Ficar sem comer: Pode não representar um jejum (determinação pessoal). Mas um envolvimento em uma dada situação em que o ser humano foi submetido à abstinência, até mesmo por ficar impossibilitado de lançar mão da alimentação.
Este segundo episódio, é o que claramente ocorrem com Moisés. Ao estar no monte deserto, onde não havia alimento ou água, Moisés, subiu sem saber o tempo que lá permaneceria; a nuvem de Deus encobriu-o, e ali, todos aqueles dias e noites (sem comer, beber ou dormir), recebeu Moisés inúmeras revelações.
Os propósitos de Deus não podem ser obstruídos por absolutamente nenhuma situação, e até a necessidade física/orgânica de Moisés, Deus na sua soberania e transcendentalismo supriu, ou simplesmente fez desaparecer, até que armazenasse em seu espírito tudo que desejava.
Por fim, Moisés não determinou jejuar, mas a propósito de Deus o manteve em tal situação até concluir seus desígnios.
*Elias – I Reis 19:1-18
Na passagem em epígrafe, vamos mais uma vez, nos deparar com os proféticos 40(quarenta). Número de grande importância para a nação de Israel.
Aqui, mais uma vez, vemos o grande profeta Elias caminhar pelo deserto por 40 dias e noites, antecedendo ao episódio, o fato de ter sido alimentado por um anjo, o qual lhe trouxe algo espiritual, e que também supriu-lhe todo o natural.
Não vemos em hipótese alguma uma pré-disposição, ou determinação de Elias em jejuar, mas entendemos que mais uma vez, tal qual Moisés, havia um propósito de Deus em leva-lo ao Monte Horebe para com ele falar, dar-lhe diretrizes e experiências, e neste trajeto, simplesmente as necessidades de Elias foram supridas pelo poder de Deus, ou seja, é o espiritual, suprindo o natural. Nada impede os propósitos de Deus.
Desde o AT... Não encontramos qualquer passagem Bíblica que pudéssemos toma-la como regra ou mandamento de jejum; contudo, muitos, sem a devida pesquisas insistem em afirmar o que não podem provar... Existem milhares de livros loucos, que tentam até ensinar como jejuar: Isto é realmente o cúmulo da ignorância e do absurdo.
Desde o AT... Quando o povo de Israel ia ao jejum, o contexto não difere; é sempre uma situação de catástrofe que os envolve, quer seja praga, fomes, guerras ou similares. O jejum era algo (costume) que fazia parte exclusiva da cultura judaica (jamais gentílica). O evangelho de Jesus não é composto de costumes, mas ensinos, mandamentos exclusivos de Jesus. Em Gálatas, vemos o apóstolo Paulo destronar todos os conceitos Judaicos, mostrando que a nova revelação é infinitamente superior.
O Profeta Desconhecido – (I Reis 13:1-10).
Na referida passagem, especificamente no verso (8) oito, vemos que este profeta tinha uma ordem Divina pessoal, expressa para não comer ou beber naquele lugar; não houve determinação pessoal do profeta, mas ordem divina específica de Deus para o profeta. Este homem não jejuou, mas ficou sem comer por obediência, o que é extremamente diferente. Contudo, mais adiante vemos que o mesmo desobedece, e isto custou-lhe a vida; pois havia uma ordem direta.
Quero repetir que o entendimento da Bíblia requer muito estudo, dependência do Espírito Santo, e dos mestres que Deus levantar, por isso também, somos alertados quanto aos falsos mestres. Porém, ao povo sincero e temente, o Senhor dirigirá ao seu verdadeiro aprisco.
FATOS QUE PROVAM A NECESSIDADE DE ESTUDO
1 – Isaías 66:3 – Literalmente, este verso seria uma grande confusão, mas se entendermos que trata-se de uma revelação para a dispensação do milênio, então, tudo estará bem.
2 – I Samuel 15:11 e I Samuel 15:29
Aqui acharíamos contradição; afinal, Deus se arrepende ou não? Ora, o que é onisciente, certamente não tem arrependimento. Aqui eu encontro uma linguagem chamada antropomorfismo, ou seja, o escritor do livro utilizando-se do linguajar que lhe é comum. Logicamente é a linguagem humana, comum, que devemos usar para que possamos nos expressar, mesmo quando falamos das coisas espirituais, e isto, devido a falta de estudo de muitos, acabam conduzindo-os ao erro; mesmo tendo bom coração.
(a) ISm 31:1,4 e (b) II Sm 1:1,10
Vemos que na passagem (a), a Bíblia afirma que Saul suicidou-se, e na passagem (b), a escritura revela o que um homem disse ao rei Davi, porém, não se detém quanto a veracidade do fato(aí vemos apenas uma narrativa). Na primeira passagem (a), entretanto; há uma afirmativa. Enfim, podemos afirmar que Saul suicidou-se, e o amalequita, que desejava alguma exaltação; por sua mentira, recebeu a morte. ( veja I Cron. 10 ).
DE VOLTA A QUESTÃO DO JEJUM
· Mateus 17:14 -21, observamos:
No verso 17, O Senhor Jesus diz: Geração Incrédula, mostrando que o demônio encontrou resistência na falta de fé dos discípulos.
No verso 20, dentro do mesmo contexto, o grande enfoque de Jesus volta-se para a questão da fé.
Somente no verso 21, vemos citação a jejum e a oração, sendo assim, o maior enfoque fica para a questão da fé, CONTUDO: Lembramos que NOTAS bíblicas (Ed. Rev. E atualizada da SBB, 1969 e Ed. Alfalit), revelam que este trecho NÃO faz parte dos manuscritos adotados, sendo apenas nota de estudo de João Ferreira de Almeida.
Marcos 9:14 -29, observemos:
No verso 19, o Senhor Jesus enfatiza a falta da fé novamente.
No verso 23, mas uma vez faz-se alusão a fé.
No verso 29, fala de oração e jejum; porém, esta passagem de Marcos, nas Bíblias mais atualizada de estudos, traz nota de rodapé, revelando que esta palavra (jejum), não faz parte dos melhores manuscritos adotados. (Ed. Rev. At. SBB, 1969 e Ed. Alfalit).
Lucas 9:37 - 42
No verso 41, o único enfoque que vemos, diz respeito à incredulidade (falta de fé), e nada mais.
A final de contas, porque aquele demônio não saiu? – As passagens correlatas, enfatizam muito mais a falta de fé, do que a pratica de jejum, pois Hb 11:6, revela que sem fé é impossível agradar a Deus, porem, isso não é dito a respeito de jejum.
PRESTE MUITA ATENÇÃO
a) Em Zacarias 8:19, diz que o jejum será gozo, alegria ,e festa.
b) Em Isaías 58:1-11, vai mostrar o que realmente agrada a Deus.
Seguindo nos estudos vamos concluir que, nem no AT. ou no NT, existe mandamento algum à prática do jejum. Vemos que o Senhor Jesus nunca se ateve a uma política de ensino desta prática, como por exemplo, o faz quanto à oração. A Bíblia revela as muitas retiradas de Jesus às orações (mas nunca fala de jejum).
DETALHE: Sendo JESUS HOMEM (o verbo se fez carne), ou seja, despiu-se de sua glória (divindade), dependia então, como qualquer homem, da direção divina obtida na oração, e não estava fora dos limites das necessidades como qualquer homem.
ENTENDENDO UM POUCO MAIS
· Mateus 9:14-15
Esta passagem esta dentro do contexto de calamidade (Jesus ser tirado dos discípulos). Jesus NÃO mandou jejuar, disse que eles jejuariam. Aqueles três dias em que Jesus lhes foi tirado, e ainda o Espírito Santo não houvera sido dado, está enquadrado no contexto calamitoso do AT., aqueles três dias devem Ter sido terríveis.
ATENÇÃO: Quando alguém jejua pelos seus pecados, expressa uma calamidade dupla; primeiro pelos seus pecados, e segundo por sua falta de conhecimento Bíblico. A Bíblia revela o único caminho para alcançarmos o perdão (I João 1:9).
OBS: Não estou me importando se todos vão compreender o que tenho dito, e ainda direi; pois cada um anda na fé e conhecimento que alcançou, porem deixo claro que o meu temor é ao Pai, ao Filho, e ao Espírito Santo; e na Bíblia como Palavra de Deus, eu aposto a minha vida e aceito desafios.
MATEUS CAP.4 E LUCAS CAP.4
Ambas as passagens relatam fatos da estadia de Jesus no deserto, período em que foi TENTADO pelo diabo.
Você deve notar o grifo na palavra tentado, é exatamente isto o que a Bíblia concorda, porém eu quero indagar. Você entende o que lê? Veja bem, isto é possível? Como pode o Deus filho, Senhor da Glória, Divino, ser tentado pelo mal (pelo diabo)? É claro que não pode, isto seria um absurdo; pois Tiago vai revelar que a divindade não pode ser tentada pelo mal (Tiago 1:13). Então, o que concluímos é que, o Jesus tentado não foi o Jesus divino, mas o Jesus homem, o verbo que se fez carne e habitou entre nós – estou falando de um único Jesus (João 1:14), e quem não confessa isso não procede de Deus (I João 4:1-3).
Por fim, já provamos que o Jesus tentado não estava, ou não podia estar, investindo de seus atributos divinos; pois o pai o enviou a terra não como Deus, mas como homem, nascido de mulher (Gn 3:15), para cumprir os seus propósitos.
OBSERVE: A grande glória do episódio do da tentação, é a vitória do Jesus homem sobre a representação máxima das trevas, mostrando que, assim como ele (homem) venceu, nós também podemos vencer seguindo seu exemplo, ou seja, vivendo, e lançando mão do que está escrito.
O Jesus divino é o verbo, mas o Jesus humano, lançou mão do verbo (palavra), e venceu.
Em fim, temos claramente compreendido, que Cristo despiu-se de sua Glória, ou seja; abriu mão de seus atributos divinos, para cumprir, como homem, o propósito do pai revelado em Gn. 3:15. Mais resumidamente queremos lembrar que o Jesus tentado era humano, sendo assim, não poderia lançar mão da divindade e transformar as pedras em pães; pois iria contrariar o plano divino de ele estar na terra como homem, e não como Deus.
CONCLUSÃO
Sabendo que o Jesus DIVINO não precisaria jejuar (lógico), e que o Jesus-Homem NÃO PODERIA jejuar 40 dias (qualquer citação contrária é profana), como explicar o aparecimento do vocábulo jejum nas referências de Mt.4 e Luc 4. Na verdade já temos comentado isto, todavia vamos ressaltar que, somente Mt. 4 usa a palavra jejum, porém Lucas (que era médico), diz: Naqueles dias não comeu coisa alguma, o que é bem diferente, e que também concorda com a definição do dicionário.
FINALIZANDO
Para finalizarmos, o que acontecem com esse Jesus-Homem, que foi tentado, foi o mesmo ocorrido a Moisés e a Elias, ou seja: por estarem envolvidos em uma ordem divina, em um cumprimento de obediência, todos, de igual modo, tiveram as suas necessidades naturais supridas pelo espiritual (DEUS), ou seja, não precisaram comer, beber, ou dormir; pois o propósito de Deus não pode ser interrompido.
Definitivamente não há regra ou mandamento de jejum para a Igreja do novo testamento.
IMPORTANTE. Não esqueça que nenhum dos apóstolos em seus escritos, deram continuidade a este tipo de assunto ou ensino, ficando claro não ser este fato fundamental.
ATENÇÃO: Em Ef. 6:10-20, O jejum não faz parte da armadura do crente.
Permita-me declarar que, quanto à questão de jejuar, já fui o número um; pois não possuía a cultura bíblica que possuo hoje. Quero, pois afirmar, que todas as vezes que me utilizei desta tradição, nunca me senti mais forte ou mais disposto; ao contrário sentia-me sempre debilitado e enfraquecido. Ulceras, gastrites e anemias, tem sido a herança dos praticantes do jejum.
O Arrebatamento de Moisés
O assunto que me proponho a provar torna-se muito evidente, uma vez que, conhecendo as regras de interpretação bíblica, e compreendendo a diferença de autor para escritor, não encontro absolutamente nenhuma dificuldade, de mais uma vez, apostar a vida no que ora escrevo. Reconheço também que, assim como um dia fui um cego guiado por outro cego, dentro dos Templos Evangélicos, muitos, ainda que não consigam contrariar as minhas palavras, e a veemência com que as trago, tentaram mesmo assim, inutilmente, resistir ao mover do Espírito de Deus; e ao invés de crescerem, atrofiaram as suas vidas, até definharem por completo (porque sei o que recebi do Senhor, e ponho à prova.
DEUTERONÔMIO Cap.34
O capitulo em epígrafe, relata o que todos já sabemos sobre o final da vida de Moisés. Contudo, nos versos cinco e seis, o ESCRITOR de Deuteronômio diz que, o próprio Deus o sepultou, e a julgar pelo contexto geral das Escrituras já não poderemos conceber tal idéia; visto sepultamento não ser de forma alguma ação atribuída a Deus.
Ainda nos mesmos versos, o ESCRITOR tem a ousadia de descrever um local para a sepultura de Moisés, seguindo ainda a discrepância de dizer que ninguém sabe aonde. Ora, será que não parece ter alguma coisa errada, julgando entre as afirmativas, e ao mesmo tempo, a dúvida contida no texto.
Bem, se ninguém sabe, e ninguém viu; semelhantes afirmativas textuais não deveriam ser encontradas nos relatos (a menos que pudéssemos identificar no texto uma revelação direta, O QUE NÃO OCORRE). Contudo, a verdade parece ser bem mais simples que parece. Da-se o fato que, subindo Moisés ao monte, e depois de meses, após incessantes buscas, não sendo encontrado, foi mais fácil ao povo imaginar um sepultamento do que um arrebatamento. E é evidente que não estou tentando provar o arrebatamento de Moises, para aqueles que são conhecedores da matéria chamada tipologia bíblica; pois sabendo que Moisés tipifica a Cristo, não restaria outro caminho, a não ser o arrebatamento.
LIVRO DE JUDAS
Devido aos relatos completamente errados de Deuteronômio, foi desenvolvida uma tradição judaica, a qual o escritor da epístola de Judas deixa escapulir; de que o Arcanjo Miguel e o diabo teriam contendido a respeito do corpo de Moisés. Por mais que tentemos imaginar a possibilidade do fato, fica um vazio muito grande sobre a narrativa se perguntarmos O POR QUE? Sei que tem um monte de afirmativas incoerentes que são feitas quanto ao fato, e não teria tempo para colocar todas neste breve estudo, alem do mais, não quero preocupar-me com as mesmas, visto que ao final destas narrativas, estarei provando o arrebatamento de Moisés.

MATEUS 17 / MARCOS 9 / LUCAS 9.28-31
No local que nos cristãos chamamos de monte da transfiguração, está escrito que apareceram Moisés e Elias. Bem, nós sabemos que quando alguém parte desta terra, uma vez salvo, acontece exatamente o que foi descrito no Evangelho de Lucas 23.43; ou seja, a essência espiritual segue para o Paraíso, enquanto que o corpo voltará a terra, onde aguardará o revestimento que Paulo chama de incorruptibilidade (I Cor. 15.50-54); e que, em se tratando dos salvos, é também chamado de a primeira ressurreição (Apoc. 20.4–6 / 1.6). Sendo assim, fica evidenciado que, quem ainda espera a transformação do seu corpo carnal (corruptível) em corpo glorioso (incorruptível), está aguardando os fatos no PARAÍSO, e somente após, herdará a Glória de Deus propriamente dita. Ou seja, paraíso e inferno são estágios intermediários, e Glória de Deus (Reino), e lago de fogo e enxofre, são estágios finais.
Conforme revela o texto de LUCAS 9.28-31, Elias e Moisés estão falando para Jesus de coisas futuras, e isto é perfeitamente possível visto Moisés e Elias terem EVLUÍDO a um estágio superior, estavam revestidos da glória e conhecimento de Deus, ao passo que o Senhor Jesus despiu-se da sua glória, ou seja, INVOLUIU, limitando-se a planos inferiores (João 1. 14).
Conforme II Reis cap. dois, Elias não morreu, logo, seu corpo não está no pó da terra, e também o seu espírito não está no paraíso, mas sim, na Glória de Deus. E em virtude de Moisés estar no mesmo estágio em que Elias se encontra, aparecendo ambos na mesma dimensão, fica evidenciado que ambos já passaram pelo mesmo processo, ou seja, Moisés foi arrebatado também.
Para introduzir o assunto milenar, que ora, detenho-me a comentar, quero ressaltar, aquilo que todos, sem exceção o sabem, ou pelo menos deveriam saber; que a atual dispensação que vivemos, é a dispensação da graça, ou seja, da fé; quando o Senhor Jesus disse que, se tu creres verás a glória de Deus.
O debate dos apóstolos na Assembléia de Jerusalém, registrado em Atos 15 ( quinze), deixa evidenciado que, a Igreja gentílica, não deveria ser composta de rituais; claro, outros podem ter as mais diversas interpretações, a minha recomendação simples, é para que estudem seriamente, antes de fazerem qualquer afirmativa, e é claro, saber que a Bíblia não é interpretada por dedução, mas sim por revelação. É muito aconselhável antes de fazer quaisquer afirmativas, dizendo que a Bíblia diz, se perguntar se és capaz de apostar a vida no que busca afirmar; pois se não fores, CERTAMENTE, estarás em condenação. Isto, é claro, não é auto sugestão, mas sim, a testificação do Espírito Santo que testifica com o nosso espírito ( Rm. 8.16).
Sabemos que a Páscoa significa a libertação de Israel do cativeiro egípcio. Deus, os concedeu este ritual que tipifica Cristo, como memorial de uma libertação, que jamais qualquer braço de carne poderia realizar; o sangue do cordeiro posto naqueles umbrais, é representação de uma libertação espiritual, que viria a ocorrer pelo próprio Filho de Deus, quando do derramamento do seu sangue como O Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo (Jo. 1.29).
Sabemos também que, enquanto existir um judeu na face da terra, este memorial deverá ser celebrado; pois como revela ÊXODO 12.14 este é perpétuo, jamais seria destituído, por isso é que o próprio Jesus, sendo judeu, o celebrou.
A Bíblia revela, uma vez dado inicio o ministério de Jesus, a celebração de duas Páscoas, donde se conclui também, que o Ministério de Jesus teria durado de dois anos e meio a três anos.
Muita introdução poderia ainda ser dita, mas quero afinal chegar ao ponto definitivo, visto existir como sub-titulo em muitas Bíblias a palavra CEIA. As pessoas ainda não tomaram conhecimento de que a Bíblia, originalmente, não possui divisão de capítulos, e muito menos de versículos, e nem tampouco estes subtítulos que vem sobre os capítulos das nossas modernas Bíblias.
A palavra ceia significa Refeição da Noite ou jantar, e em virtude de para os judeus cada novo dia ter inicio as 18(dezoito) horas, fica claro que, quando eles davam inicio a celebração do memorial de libertação do Egito, o que para eles era um novo dia, para nos, cuja cultura é extremamente diferente, pode ser chamado de ceia, contudo nunca deixará de ser a Páscoa. Diga-se de passagem, esta festa judaica é para eles tão importante ,que eles a celebravam por quarenta e oito horas (João 19.31).
Se me podem suportar ainda, me permitam provar que Jesus celebrou a Páscoa, deixando a observação dos seguintes textos.
Em Mateus 26. 17 – 19, não é possível negar o fato. Aí está a Páscoa.
Em Marcos 14. 12 – 16, negue quem quiser. Aí está a Páscoa.
Em Lucas 22. 7 – 15, aií está, mais uma Páscoa.
Em João 13. 1 – 2, mais uma Páscoa.
Sei que não é necessário, mas me permitam dizer. Ai não estão quatro Páscoas, alguns textos são sinóticos, ou seja, falam da mesma coisa, é uma repetição.
Agora, para aqueles que conseguem suportar-me ainda, estarei nas próximas linhas provando e apostando a vida, que o ritual desta celebração continuou exclusivo para os judeus, nada tendo haver conosco, gentios.
Nos textos mencionados anteriormente, não conseguimos detectar nenhuma ordenança de continuidade desta celebração, e em virtude de dizermo-nos discípulos de Cristo, poderíamos encerrar o nosso estudo por aqui; pois, não sou seguidor de Paulo, Pedro, Tiago, ou João; sendo assim, pouco me importa o que eles tenham feito, ou dito, visto as regras para a Igreja, serem obrigatoriamente procedentes de Cristo, o seu fundador, e estas regras só podem proceder de Mateus, Marcos, Lucas, e João (O EVANGELHO).
Bem, mesmo considerando inacreditável, que alguém possa apoiar-se em cartas e epístolas para criar regras para a Igreja, vamos mesmo assim examinar o texto mais usado pela maioria das Igrejas quando desejam falar do ritual da ceia. Eu sei que alguns ficam chateados quando me refiro à ceia como ritual, mas não existe outra palavra a ser empregada, visto todas as práticas rotineiras serem chamadas de ritual. Não tenho intenção de ofender, apenas estou usando a palavra cabível dentro do nosso idioma (vide dicionário).
O Texto ao qual me refiro, é o de I Cor. 11. 23 – 26; o qual o nosso irmão Paulo, afirma ter recebido do Senhor, e quanto a isto não há problema algum. Contudo, quero afirmar, que receber é um fato, e entender pode ser outro muito diferente.
De todos os textos que examinamos, o único que diz, FAZEI ISTO TODAS AS VEZES QUE BEBERDES (verso 25), e TODAS AS VEZES QUE COMERDES (verso 26) é este.
Ante as expressões sublinhadas, gostaria de lembrar a quem Jesus está se dirigindo. Muitos diriam aos apóstolos, ou discípulos; contudo eu acrescento. Apóstolos e discípulos JUDEUS. Isto mesmo, os quais estariam de ano em ano comemorando esta mesma festa, pois este ritual foi dado como memorial PERPÉTUO exclusivamente a eles (JUDEUS). Ano após ano, quando os judeus, embora agora também cristãos, mas sem deixar de serem judeus, estivessem celebrando a Páscoa como memorial da libertação física do Egito, agora também, estariam celebrando o cumprimento da tipificação do cordeiro Pascal imolado para libertação do cativeiro espiritual, mediante toda a autoridade, ora, concedida a Igreja.
Permita-me provar que, se Paulo estiver correto, também eu o estou; pois ele usa a expressão, anunciais a morte do Senhor ATÉ QUE VENHA. Ora, qualquer criança que estuda a Bíblia, já sabe que Jesus não voltará para a Igreja, que a Igreja não verá a volta de Jesus; pois a mesma será arrebatada. Contudo, a profecia de Zacarias fala com clareza que, a volta de Jesus é exclusiva para os judeus e ninguém mais. Haverá um total de três manifestações de Jesus na História de Israel. A primeira foi no Egito; a segunda quando o Verbo fez-se carne e eles rejeitaram; e a terceira será essa que Paulo diz ...até que venha (que é a implantação do milênio); pois a Páscoa é memorial de libertação, é quando da terceira manifestação de Cristo aos judeus, eles, mais uma vez, estarão cercados pelo exercito do anticristo, na famosa guerra do Armagedom ( vale entre o Mar da Galiléia e a Cordilheira do Carmelo).
Bem, então, fica óbvio que, se este ritual trás em si um anúncio, está evidenciado que ele não pode estar sendo anunciado pela Igreja em ceia alguma, mas sim pelos judeus nas suas Páscoas; pois o (até que venha) dito por Paulo, só pode ser anunciado pelos judeus.
Mais uma vez me permita dizer que, estou pronto a apostar a vida e aceitar quaisquer desafios nesta minha bíblica convicção, de que O Senhor Jesus não deixou, para a Igreja gentílica, absolutamente, nenhum ritual que gire em torno de comida ou bebida.
Tem gente que diz que o Senhor acabou com a Páscoa e instituiu a ceia. Já provamos que isto não tem como ser realidade, a Páscoa é perpétua.
Existem alguns textos que, algumas pessoas retiram de seus próprios contextos, e usam como verdadeiros pretextos evasivos; vejamos.
Em João 6. 47 – 59, temos um texto repleto de SIMBOLOGIA, e para explicar cada uma delas precisaríamos de algumas aulas de seminário a respeito de simbologias bíblicas, matéria que, infelizmente, poucas pessoas dominam. Mesmo assim me permita falar algumas básicas do texto em questão.
PÃO significa a nossa necessidade diária (necessitamos de Jesus diariamente).
CARNE significa as situações do nosso mundo natural. E Jesus diz no verso 51, darei pela vida do mundo, demonstrando em fim, que, tal qual um homem (I João 4. 2 –3), estaria realizando uma obra no mundo dos mortais.
O SANGUE significa que Jesus iria ao extremo entregando a própria vida.
Em fim; comer a carne e beber o sangue, nada mais significa que, ser participante da mesma OBRA ( carne ), e das mesmas AFLIÇÕES ( SANGUE ). Ou seja, ter os mesmos ideais.
Mesmo que não houvesse nenhuma explicação sobre este texto de João seis, ele não apresenta nenhum conflito com nada, o que nunca se poderá fazer, é pegar este texto, e aplicar no contexto de Páscoa ou ceia; pois não é sobre isto que trata o assunto.
Quero apenas deixar mais uma breve lição. Em nenhum dos relatos encontrados no EVANGELHO (Mateus, Marcos, Lucas, e João), conseguimos achar a expressão ATÉ QUE VENHA. Ou seja, Jesus não a mencionou. Sendo assim, quero lembrar que estou apenas fazendo um comentário, se fosse o caso de Paulo estar correto em sua afirmativa. Todavia, quero ser redundante em esclarecer que, todas as doutrinas malucas que tem surgido, como predestinação, usos e costumes e etc, são sempre fundamentadas em alguma carta ou epístola, e nunca no Evangelho de Jesus que é a ÚNICA REGRA para a Igreja.


Faculdades Reconhecidas pelo MEC (A Cegueira Continua)
Como se não bastasse ter que suportar uns grupos de adolescentes que, sendo guiados por pais completamente cegos comparecem em programas de TV’s, submetendo os seus ministérios a julgamento de espíritas e católicos, agora sou agredido e provocado com esta hipocrisia espiritual que, procurando ostentarem-se com ar de superioridade, alguns administradores procuram divulgar seus seminários cobrindo-se com o podre manto do reconhecimento daqueles que não fazem parte do Reino de Deus.
A Escritura diz que somos sal da terra e luz do mundo, ou seja: somos nós que preservamos e que fazemos a diferença, logo, não podemos nos submeter às regras deste mundo, tampouco fazermos alianças com aqueles que não fazem parte do mesmo Reino que nós.
Eu gostaria de perguntar a estes "pastores" o que eles ensinam nas suas organizações; se são realmente um seminário, ou se não passam de mais uma grande casa de prostituição? Pois pelo que entendo, uma organização reconhecida pelo MEC (Ministério da Educação e Cultura), não poderá abrir a Bíblia para dizer que os católicos e os espíritas, segundo a Escritura, estão a caminho do inferno (Deut.: 18:9 / Apoc.:21:8 / 22:15, etc...).
Será que o MEC reconhece o ensino de que os que chilreiam entre os dentes, são anjos caídos que se transformaram em demônios (Isaías 8:19) ?
Talvez o MEC reconheça a existência de Deus (Gênesis 1:1) ? Ou quem sabe a origem de Satanás (Isaías 14 / Ezequiel 28) ? Talvez o MEC concorde quando declaramos que os criadores da doutrina do purgatório não passam de filhos do diabo, e que as missas nada mais são além de uma fonte astronômica de arrecadação para o vaticano? Ou então quem sabe, não são estes "pastores", que já se corromperam e decompuseram seus caracteres a tal ponto, que na verdade são eles que concordam com todas essas podridões?
A Igreja verdadeira não está na terra para que suas ações sejam reconhecidas pelo mundo, ou pelos organizados segmentos governamentais, a Igreja Verdadeira é marginal, não aceita os estatutos dos homens; pois se é verdadeiramente Igreja, já possui o seu próprio (Bíblia).
Os crentes verdadeiros estão neste mundo para faze-lo reconhecer a realidade e a grandeza de um Deus sustentador, invisível, mas real. Não estamos aqui para buscar reconhecimentos, mas sim para romper todos os conceitos e tradições, e implantar os conceitos do Reino ao qual pertencemos, e isto, quer ouçam quer deixem de ouvir.
Patenteando a minha mais profunda aversão e indignação, contra todo aquele que se diz cristão, mas busca apoio e reconhecimento fora de Deus, eu me despeço; contudo deixo claro, que é apenas por um breve momento.
Casamento X Registro de Casamento
Senti-me em uma profunda obrigação de deixar ao Povo de Deus mais esta fantástica informação; todavia, apesar da obrigação, com grande alegria o faço; pois com esta palavra já me vi livrando a muitos de algozes jugos que, somente serviram para martirizar suas vidas e sepultar seus ministérios.
Gostaria de em tão rara oportunidade, à luz da Santa Escritura, deixar claro o que é um casamento, ao passo que também já deixo o desafio, para aquele que quiser contestar, faça-o, mas não com palavras persuasivas das TRADIÇÕES humanas, e sim, pela revelação de Deus baseada em sua palavra. Só para adiantar quero deixar bem claro que, pelas palavras que seguir-se-ão, eu, aposto a minha vida e aceito quaisquer desafio, quer perante o TODO PODEROSO, perante o diabo, ou ainda perante os homens e suas leis. Em fim, vejamos:
Em Gênesis 2:24, diz: Portanto deixará o homem seu pai e mãe e UNIR-SE-Á a sua MULHER...Eu quero fazer uma pergunta aos meus diletos colegas pastores, e também aos chamados eruditos, ou ainda aos doutores da sociedade. Porventura não está aí a instituição criada por Deus, a qual se chama casamento? Se o fato é simples e incontestável, por que então jogar mentirosos jugos sobre os ombros dos outros, se não os podem provar, dando assim falsos testemunhos, ou ainda querendo viver em vã tradição dos homens, as quais nunca produziram os frutos esperados.
Outro detalhe que quero ressaltar é que homens de tanto renome ainda não aprenderam que as leis dos homens jamais estarão acima da Lei de Deus. As coisas concernentes ao Reino de Deus possuem uma regra EXCLUSIVA, chamada Bíblia. Portanto, jamais uma lei humana ditará a regra de conduta dentro da Igreja(Reino). Diga-se de passagem, Estatuto de Igreja serve apenas para ocupar lugar nas gavetas.
Quando Adão e Eva casaram-se não existia escrita, não existia papel, e muito menos cartório, porém, já existia casamento. A própria documentação emitida hoje por cartórios, é chamada de Registro; ora, quem registra, registra algo que já foi feito.
È muita incontinência alguém acreditar que um homem (juiz) poderá determinar a partir de qual momento duas pessoas se tornarão marido e mulher, e terão constituída sua família; sem contar ainda com aquela antiga e ridícula frase que vem sendo mencionada ao longo da história( EU VOS DECLARO MARIDO E MULHER).Esta frase somente revela, que realmente o povo continua padecendo pela falta de conhecimento. Quando o Senhor Deus determinou o casamento, deixou muito claro: deixará o homem...unir-se-á a sua mulher. Ou seja; esta decisão, compete EXCLUSIVAMENTE a ambos, e não depende da permissão, aprovação, ou quaisquer tipo de concordância de terceiros( Espero estar sendo bem claro a quem quer que seja).
Casamento NÃO é determinado por cartório ( doa em quem doer). Moisés era casado, Davi, Pedro,Tiago, João, Etc..., Contudo não possuíam nenhum registro em nenhum cartório. Os crentes que se converteram nos longos anos das perseguições, ainda que houvesse algum cartório, neles não poderiam comparecer para fazer registro de suas uniões; eram fugitivos e forasteiros, sendo em todo tempo considerados marginais. O casamento existe antes dos cartórios.
Casamento é quando duas pessoas submetem-se as leis morais que são intrínsecas a todos os seres humanos, e daí, juram fidelidade, carinho, respeito, honra, e objetivos comuns entre SI, e a quebra desta ALIANÇA caracteriza a INFIDELIDADE.(Esta aliança é feita com PALAVRAS, e não com assinaturas. Mt. 5:37 / Mt. 12:36, 37).
Adultério não é caracterizado pela falta de um pedaço de papel, como pensam alguns que têm o descaramento e a hipocrisia, de acusarem os outros de adúlteros, só pelo fato de não possuírem uma certidão, ousando ainda dizer que se encontram em pecado. Ora, como pode a falta de um registro ser pecado, se eu posso com o meu DINHEIRO eliminá-lo, mandando emitir em leis humanas um papel com algumas letras? Logicamente não deveria ser assim; pois os nossos pecados somente são apagados mediante o preço do sangue de Jesus Cristo, e não pelo preço do meu dinheiro( não me venham com fúteis e baratos argumentos, se têm alguma coisa a dizer-me, que me provem pela Bíblia).
O dicionário da língua portuguesa define adultério como: União sexual entre pessoas já ligadas a outrem; contudo, se nos prendermos ao termo em si, adulterar é violar qualquer norma ou regra, e sendo assim, no contexto do casamento muitas coisas podem ser violadas, como por exemplo, o respeito, e assim, havendo a quebra da harmonia de alguma maneira uma separação será justificada (Amós 3:3). Não é possível andarem juntos aqueles que estão em discórdia.
Antes de entrar em outros detalhes me permitam ser redundante e afirmar que, a partir do momento em que duas pessoas façam aliança entre si, e assumam publicamente esta responsabilidade e compromisso, ali formou-se mais uma família, e se um dos dois vierem a quebrar este compromisso (que é feito por palavras Ecles.5:5), sem motivo justificável, também aí estará constituído a infidelidade(que é a quebra da aliança que assumiram com palavras, independente de cartórios ou assinaturas; pois o Deus que nos criou imagem e semelhança Sua, honra Sua palavra, e exige de nós que também honremos a nossa ).
Em algumas denominações ouvimos alguns absurdos inigualáveis, tais como: Certas pessoas após se converterem, aproximam-se dos pastores a fim de cumprirem as Escrituras, e põem-se a disposição para serem batizadas. Alguns líderes preocupam-se logo em perguntar se a pessoa é casada, e devido a uma errada tradição a pessoa diz viver a dez anos com alguém, ter três filhos, contudo não é "casada" no papel; daí é dito que a pessoa primeiro deva casar-se para depois batizar-se, e quando a pessoa diz que quer se casar o pastor então diz que não pode fazer seu casamento por ela não ser batizada, e automaticamente não ser membro da Igreja. Bem, daí eu pergunto, o que a pessoa vai fazer da vida? Será que não tem alguma coisa errada? [Não batizam porque não é casada, e não casam porque não é batizada. Isto é uma grande ignorância, mas pelo menos é permitido a pessoa chegar em um cartório, e com seu próprio dinheiro comprar o preço do seu pecado .Que absurdo ! ]
Outro episódio interessante é o que tem ocorrido com abundância. A pessoa se converte e quer se batizar, mas por não ter o Registro Civil do Casamento, alguns cegos pastores, se recusam a batizá-la, mesmo após esta ir ter com seu cônjuge e solicitar o Registro Civil e o mesmo não interessar-se pelo fato.[ Ora eu pergunto, será que a Escritura não revela que fé e salvação são coisas individuais, e que não dependem de terceiros? Santa ignorância! Como pode uma pessoa que deseja cumprir a Escritura ser impedida por atitude de terceiros? Bem, realmente ou sou inteligente demais para esta sociedade, ou então não passo de um louco; contudo quero lembrar que aceito desafios].
Quanto ao Registro, queremos demonstrar sua necessidade não para apagar pecado ou eliminar qualquer transgressão que seja, mas somente dentro de uma mega sociedade em que as coisas precisam ser provadas, inclusive com testemunhas; isto para aspectos naturais e não espirituais, como por exemplo quando se vai deixar bens materiais, ou uma série de direitos legais aos familiares. Estes documentos, doa em quem doer, servem somente para isto, e não para a Igreja de Jesus Cristo.
OBS: Em tribos de índios temos várias famílias organizadas, embora eles não estejam nem aí para os nossos cartórios.
Para aqueles que pensam que um compromisso perante Deus, somente é válido quando existe uma assinatura, primeiro quero deixar meus sinceros pesares, e a seguir quero declarar que, quando em Ecles. 5:5, a Escritura diz ser melhor não votar do que votar e não cumprir, o Senhor não solicita a assinatura de ninguém. Repito que em Mateus 12:36 – 37, o julgamento virá sobre as palavras e não sobre quaisquer outras cousas. Quero ainda dizer que, o COMPROMISSO que Jesus tem conosco e nós com Ele não está definido por assinaturas, tampouco registrado em cartórios ( os naturais seguem leis naturais, os espirituais porém, não estão sujeitos a estas mesmas leis – Gálatas 5:18 ).
A você que é capaz de compreender estas palavras, meus parabéns. E a você que ainda não as pode compreender(João 8:32), continue firme com o Senhor(João 5:39/Mt.22:29); pois cada um anda conforme a fé que alcançou, e há somente uma maneira de alcançar a fé ( Rm.10:17).
Quero deixar bem claro que não estou procurando adeptos para nenhuma idéia ou linha de pensamento; pois no que tenho dito aposto a vida e aceito desafios como já declarei. A minha intenção primordial dentro do Ministério que me foi dado é simplesmente levar mentes a pensarem, e deixarem de ser conduzidas por opiniões ou leis humanas; pois a Igreja de Cristo é infinitamente superior às mesmas.
Tempo da Graça
Ao longo dos séculos Deus vem tratando com a humanidade de formas diferentes, visando cada vez mais facilitar a salvação para a mesma; contudo, em todas estas dispensações trazidas por Deus, sempre, e invariavelmente, alguma atitude do ser humano será requerida.
A Bíblia nos apresenta 39 (trinta e nove) livros chamados de Antigo Testamento, ou aliança, e 27 (vinte e sete) livros do Novo Testamento.
Da antiga aliança, vem-nos a revelação que, sem derramamento de sangue não há remissão de pecado, daí, vieram os inumeráveis sacrifícios de animais que, periodicamente eram realizados por aqueles que adentravam a fé judaica.
O tempo dos rituais judaicos hoje, nenhum valor tem para aqueles que se tornaram Igreja, ou seja, discípulos de Jesus Cristo, e em virtude de o Judaísmo não ser uma falsa religião, conforme os relatos de Romanos 2.12 – 13, fica esclarecido que, a Antiga Aliança (Lei), pode ser considerada a vontade permissiva de Deus para os Judeus, contudo, a Nova Aliança (Cristo), e a vontade absoluta para o mundo.
Podemos com clareza bíblica ver a quebra (cumprimento) da Antiga Aliança, e a instituição da Nova. Na Antiga Aliança era pedido o sacrifício de um cordeiro para que o perdão do pecado fosse realizado. Cada um receberia o seu perdão pessoal, mediante a sua própria oferta. Contudo em João 1.29, João Batista aponta para Cristo e diz, eis o CORDEIRO DE DEUS QUE TIRA O PECADO DO MUNDO. Entenda bem que, o relato abrange aos confins da terra, Ele tira o pecado do MUNDO. Aquilo que Deus nunca permitiu ser humano algum realizar, agora, Ele mesmo realizará pela humanidade, ou seja, o sacrifício de um ser humano (Jo.3.16); e não esqueça do que é dito. Ele é o Cordeiro DE DEUS, ou seja, É O PRÓPRIO DEUS QUEM OFERECE A OFERTA DE SACRIFÍCIO ETERNO.
Conforme os fatos inquestionáveis, fica instituído o tão comentado TEMPO DA GRACA, ou seja, O FAVOR IMERECIDO DE DEUS PARA COM OS HOMENS, onde o Apóstolo Paulo deixa sua contribuição gloriosa para que nosso entendimento não vacile (Romanos 3.21 – 26); e ainda em Rom.6.23, o mesmo mostra seu entendimento quando afirma ser Cristo o dom GRATUITO DE DEUS. Por ser Cristo o dom GRATUITO, é que hoje nos encontramos no tempo da Graça, o favor IMERECIDO.
Veremos ainda com toda a clareza nas palavras do Senhor Jesus, que toda Lei precisaria ser cumprida antes de sua abolição, pois a mesma também, como instituição divina, jamais poderia ser desconsiderada, a menos que fosse cabalmente cumprida.
Em Mateus 5.17 – 18, o Senhor Jesus, ao declarar ter vindo para cumprir a Lei, deixa evidente que o Apóstolo compreendeu o tempo da Graça em Sua pessoa, e mais uma vez ratificamos a declaração de João 1.29, que Cristo seria o GRANDE SACRIFICIO, que encerraria todos os rituais judaicos.
Em Mat. 26.28, Marc. 14.24, e Luc. 22.20, Jesus demonstra ser o MEDIADOR de uma NOVA ALIANCA no seu próprio sangue.(Leitura indispensável – Hebreus 9.11 – 21 / 12.24 / 13.20)
Uma vez compreendido a instituição do tempo da Graça, passaremos a demonstrar nesta Nova Aliança, qual a parte cabível ao homem, uma vez que já não resta mais sacrifício algum a ser feito.
Uma vez que todo sacrifício já tenha sido realizado, e sabendo que nenhum de nós nasce predestinado a nada, temos, afinal de contas, que descobrir qual parte nos cabe nesta Nova Aliança; pois se estamos falando de Aliança, isto que dizer que duas partes estão em questão, pois normalmente uma Aliança tem que envolver no mínimo dois aspectos, ou ainda dois interesses.
Em Efésios 2.8 – 9, fica evidenciado a parte que nos cabe; pois está dito pela Graça ( favor imerecido de Deus por nós, no sacrifício de Cristo) somos salvos, contudo revela, MEDIANTE A FÉ. Isto quer dizer que, a minha fé deve estar direcionada ao favor que Deus por mim instituiu na pessoa e sacrifício de Cristo. E ainda está escrito que isto não vem de nós, ou seja, jamais teríamos como providenciar-nos um veiculo de salvação tão poderoso e eficaz.
Em Romanos 5.1 – 2, Paulo, mais uma vez evidencia que a nossa ATITUDE de fé nos permite adentrar a Nova Aliança, para em fim, desfrutarmos do tempo da Graça; onde também deixa evidenciado que somos justificados mediante a fé.
Apenas a titulo de encerramento queremos lembrar Hebreus 11.6, que afirma que sem fé e impossível agradar a Deus; ou seja, se não tivermos fé de que o sacrifício de Cristo seja único e suficiente para nossa remissão, jamais agradaremos a Deus, e assim, não desfrutaremos da sua graça. Mediante a fé no tempo da graça poderemos ser tudo o que quisermos para ver a tremenda glória de Deus.
Este tempo da Graça é também conhecido como dispensação da fé; pois o Senhor Jesus deixou claro que, SE TU CRERES VERÁS A GLÓRIA DE DEUS (Jo.11.40). Em fim, a parte de Deus está consumada, agora resta-nos fazer a nossa parte. Lembra-te que FÉ é a AÇÃO do seu LIVRE ARBITRIO. Portanto creia, e tu verás a glória de Deus.

Adventismo Nunca Mais

Infelizmente, tenho que continuar a ser redundante, visto as pessoas também o serem quanto à falta de conhecimento, a qual os faz perecer (Os. 4.6).
Lamentável como as pessoas se dizem discípulos de Cristo, contudo, insistem em ter atitudes, a respeito das quais Ele jamais compartilhou. O que está acontecendo com este povo, será que não lêem Bíblia?
A Escritura revela em I João, que aquele que diz estar com Ele, também deve andar como Ele andou.
A falta de estudo é tão extremamente acentuada que, uma multidão incontável, ainda não percebeu, quando uma regra Bíblica deve passar de uma dispensação para outra. Será que não sabem o que é uma dispensação? Será que nunca leram Gálatas?
Existem muitas dispensações, contudo podemos nos prender a três principais, que são, A Lei (antes de Cristo), A Graça(favor imerecido no sacrifício de Cristo), e O Milênio (reinado pessoal de Cristo).
Primeiro, os sacrifícios e a auto justificação da Lei, não podem tomar parte na Graça. Depois, muitos gêneros alimentícios da Graça, não farão parte no Milênio. Isto logicamente é uma pequenina diferença dentre uma multidão de fatos, apenas para provar que existe diferença nos tempos em que Deus trata com a humanidade. Por isso, temos chamado a Bíblia de Antigo Testamento, ou Aliança, e Novo Testamento, ou Aliança, e o próprio Jesus quando celebrava a Páscoa disse; este é o Novo Testamento no meu sangue. Ora, se é o Novo, significa que o Antigo com suas regras, tornou-se obsoleto.
E imprescindível saber, que cada dispensação tem as suas próprias regras, e isto é fato indiscutível. Não se pode ser cristão, guardando ritual judaico. Os rituais judaicos são para os judaizantes. Daqui a pouco vai aparecer alguma Igreja tonta querendo celebrar a Páscoa; já não basta a opressão a respeito de um sem sentido ritual chamado ceia, onde milhares de vidas são escravizadas, inclusive podendo cear somente depois de passar na secretaria e deixar o dizimo, retirando um tal de cartão azul ou amarelo, conforme o mês em questão, para ai então, poder participar da ceia. Haja mercenarismo maldito, e haja escravidão de um povo sem entendimento.
Bem, todos estes rituais judaicos, foram por muito tempo a grande luta do apóstolo Paulo, que chegou a ponto de dizer que, se vos deixar circuncidar não tendes parte com Deus, da Graça tendes caído. Ele também escreve em Gálatas, dizendo que, se a justiça provem da Lei, segue-se que Cristo morreu a toa (Gl.3.10-14 / 5.2-4).
A razão pela qual me detenho a escrever este artigo, é em virtude de tantos absurdos estarem sendo defendidos por uma turma que se chama adventista ( cujas pessoas demonstro meu carinho e respeito, mas quanto às suas doutrinas, quero deixar explícito, a minha mais profunda aversão). Estes até então, irmãos, nunca perceberam que a guarda do sábado é específico para Israel, para os descendentes de Jacó ( a quem o Senhor Jesus trocou o nome). Isto esta claro em Êxodo 31.16,17, que afirma ser este episódio um memorial perpétuo para eles (Israel).
Outro fator que é muito lógico, é o que revela que cristãos, são os discípulos de Cristo, e um discípulo é aquele que anda consoante as palavras e ações de seu Mestre, ou seja; se sou discípulo de Cristo, devo andar e agir conforme ele me tenha dado o exemplo. Examinando abundantes passagens bíblicas veremos que Jesus não demonstrou nenhuma reverência quanto ao sábado, o violou em todos os sentidos, dizendo inclusive que, o sábado foi criado para o homem e não o homem para o sábado, quando também chamou de hipócritas os guardiões do sábado.
A partir de Jesus Cristo, não é encontrado nas Escrituras, nenhuma palavra aconselhando a guardar o sábado; Cristo destituiu o sábado. Nenhum dos apóstolos em seus ensinos quer por cartas ou epistolas, mencionaram jamais sobre a guarda do sábado.
Para finalizarmos o assunto, basta dizer que um discípulo deve andar conforme seu mestre, e sendo assim, bastara a simples leitura dos versos que se seguem, para qualquer indivíduo, que não queira abrir mão da loucura da guarda do sábado, estar em rebeldia diante da palavra; nos cristãos não temos dias especiais, todos os nossos dias devem ser para louvor e gloria do nome do Senhor.
Textos.
Mateus 12.1 – 14 / Lucas 13.10 – 17; 14.1 – 6 / João 5.1 – 18; 7.14 – 24; 9.13 – 17.
Contra fatos não há argumento.

Fé (OPoder do Livre Arbítrio)
Com toda a certeza, se tem uma palavra que traduz uma expressão, e da qual o Senhor Deus muito se agrada esta é a fé. Fé significa ATITUDE DE CONFIANÇA, que um ser humano empreende naquilo, ou naquele, que não vê. É a ação voluntária, movida pelo LIVRE ARBÍTRIO.
Deus espera que o ser humano tenha atitudes consoantes as regras que Ele tem deixado sobre a terra ( Bíblia).
Conforme o tema em questão, observemos algumas passagens bíblicas.
1 – Em Hebreus onze temos a famosa galeria dos heróis da fé. Conforme as abundantes passagens deste capitulo, veremos que todos os personagens tiveram que desprender alguma ação ou atitude; isto demonstra que não eram inertes nem tampouco predestinados.
Na história de Abraão encontraremos a expressão de que, tendo Abraão crido em Deus, isto lhe foi IMPUTADO por JUSTIÇA. Ora! Como imputar por justiça a atitude de alguém que já estivesse predestinado, ou seja; programado para corresponder de acordo com o desejado? Que galardão merece alguém que não teve escolha em sua atitude?
Muitos se enganam quando lêem que Deus é o autor e consumador da nossa fé. Isto NÃO significa que Deus tenha criado a fé em nós, mas sim, que Ele tenha criado o meio (redenção no sangue de Cristo), para desenvolvermos a nossa fé; pois quem tem fé tem-na em algo, ou alguém. Deus nos proporciona toda condição para crermos; por isso é que o Evangelho de João, revela que o Espírito Santo busca nos CONVENCER, do pecado, da justiça, e do juízo. Ora, se busca nos convencer, está claro que não somos predestinados. O Espírito Santo trabalha, mas a DECISÃO é nossa, pelo nosso LIVRE ARBÍTRIO.
2 – Em João 3.16 a salvação é para quem crê, e não para quem está predestinado.
3 – Efésios 2.8 diz que, pela graça somos salvos MEDIANTE A FÉ. Graça significa favor imerecido, ou seja, O SACRIFÍCIO DE CRISTO por nós. Hoje não temos mais que oferecer os sacrifícios exigidos pela Lei, mas basta-nos crer que o grande e eterno ritual de purificação já foi cumprido na aspersão do sangue de Cristo. Quando na seqüência é dito que isto não vem de vós, mas que é dom de Deus; a expressão isto se refere ao grande sacrifício, que passa a instituir o Tempo da Graça, o qual nenhum de nós poderia realizar, para que toda Lei fosse cumprida. Jesus disse que não veio destruir a Lei ou os profetas; não veio ab-rogar, mas CUMPRIR (nós não poderíamos), por isto estamos no tempo da graça, ou DISPENSAÇÃO DA FÉ, daí o Senhor Jesus declarar que, SE tu creres, verás a glória de Deus. (use seu Livre Arbítrio e creia).
4 – Hebreus 11.6 diz que sem fé e impossível agradar a Deus. Ora, se eu agrado a Deus com a minha fé, significa que o desagrado na falta da mesma; contudo, se eu não tivesse Livre Arbítrio, nenhuma das situações seria uma realidade.
5 – Hebreus 10.38 diz que o justo vivera da fé, e se ele RECUAR, Deus não terá prazer nele.
Permita-me perguntar, como pode a Bíblia falar de crer e recuar, se eu não tivesse LIVRE ARBÍTRIO.
6 – Mateus 6.30 – Jesus reprovou a pequena fé. Isto quer dizer que poderiam ter tido outra atitude; tinham Livre Arbítrio, e não eram predestinados.
7 – Mateus 8.10 – Jesus exaltou uma atitude de fé; logo, o homem possuía Livre Arbítrio.
8 – Mateus 9.22 – Mais uma exaltação a uma atitude de fé (logo, era livre).
9 – Em Mt.15.28 Jesus engrandece a fé, e em Mt.23.23, acusa a homens de terem negligenciado a fé. (onde esta a predestinação ?)
10 – Embora NUNCA me utilize da opinião dos apóstolos para fundamentar uma doutrina, o ENTENDIMENTO de Paulo em Rm. 3.28 e Rm.5.1, também é de que a justificação seja EXCLUSIVA mediante a fé.
Existem centenas de passagens bíblicas que enfatizam fé e livre arbítrio, em detrimento à predestinação, mas logicamente não tenho tempo para expô-las.
Jesus disse, para irmos por todo mundo e pregarmos o Evangelho, e até que provem o contrário, Evangelho é aquilo que Ele já havia falado e ensinado aos discípulos, portanto, MATEUS, MARCOS, LUCAS, e JOÃO, o Evangelho profetizado, ou melhor, visto por EZEQUIEL, em sua visão tempestuosa. Permita-me só mais uma lição. O Evangelho é composto por quatro livros, porque o número quatro representa os pontos cardeais, e faz alusão a uma situação que abrangerá toda a terra. Qualquer doutrina ou regra para a Igreja, somente terá razão de ser, se vier pelos lábios do Senhor Jesus; pois Ele é o fundador da Igreja, e não deixou permissão para que ninguém dirigisse a sua casa criando normas, mas sim, submetendo-se as regra pré-fixadas. Qualquer norma ou regra que esteja fundamentada somente em outras partes das Escrituras, CERTAMENTE é herética.
Encerro dizendo que, quando Paulo fala em Efésios, que Deus nos predestinou, ele diz EM CRISTO JESUS. Ou seja, uma vez em Cristo, só nos restará ser salvos, pois Jesus é a porta, quem Por Ele entrar, sairá e achará pastagem. Portando Paulo não diz simplesmente predestinou, mas predestinou EM CRISTO JESUS, e ele mesmo em II Cor. 5.17, afirma que se alguém ESTÁ EM CRISTO SERÁ NOVA CRIATURA.
Preferindo a morte antes a predestinação, encerro, desejando a todos a remissão na lavatura do sangue de Cristo (Apoc. 22.14).
Servos Livres (Não Predestinados)
MOISÉS (Números 20.2 – 13; 27.14; Deut.3.23 – 27).
Com base nos textos em epígrafe, quero neste episódio, comprovar a grande liberdade do SIM e NÃO, existentes na vida de Moisés.
Vemos com clareza, nas referências bíblicas, que houve uma ordem de Deus, diretamente dirigida a Moisés, e como observamos, Moisés teve atitude contrária ao que lhe foi ordenado. Ciente da atitude que deveria ter, mesmo assim, agiu com rebeldia.
Na seqüência de estudo dos versos, vamos detectar que Moisés é chamado de rebelde. Ora, se alguém é qualificado de rebelde, isto, invariavelmente revela que, a atitude esperada, com clareza, deveria ser outra.
Continuando a examinar a Escritura, veremos que Moisés orara ao Senhor na tentativa de obter perdão da sua transgressão; contudo, a sua esperança fica frustrada, visto o Senhor não o perdoar, e ainda declarar para que o assunto seja por definitivo encerrado.
Com simplicidade, queremos apenas trazer a luz, a lógica do livre arbítrio existente na vida de Moisés; pois mesmo tendo uma ordem direta de Deus, ainda assim, teve liberdade para agir de forma contrária, sendo evidentemente, punido por sua transgressão.
Quero finalizar este fato, apenas declarando que, Deus não poderia pedir uma atitude, e ainda punir uma rebeldia, de alguém que estivesse predestinado a agir de uma outra forma; defender idéia tal seria zombar da ação e julgamento de Deus.
DAVI (II Sam.11 – 12).
Com este servo de Deus também podemos com clareza, detectar o Livre Arbítrio existente em sua vida, muito embora, vamos observar um terrível mau uso.
Conferindo as passagens bíblicas, veremos que, mesmo existindo em Êxodo 20, o mandamento que diz para não adulterar, e Davi o conhecia muito bem com toda certeza, ainda assim, ele foi e adulterou.
Na seqüência do estudo das narrativas, veremos que, embora existisse também o mandamento para não matar, Davi, mais uma vez, fazendo uso do seu livre arbítrio, foi, e conforme revela o ponto de vista do profeta Natã; assassinou Urias pela espada dos Filisteus.
Bem, o que simplesmente quero ressaltar, é que mesmo conhecendo uma atitude que deva ser tomada como correta, ainda assim, qualquer ser humano pode, seja por orgulho, vaidade, ou qualquer outro motivo, ter uma outra atitude não conveniente, mas que satisfaça aos seus desígnios pessoais, e não divinos ou coletivos.
Em fim, o que mais uma vez queremos é demonstrar o livre arbítrio existente na vida de Davi, tal qual o é na vida de qualquer outro homem.
PAULO (Atos 22.17 – 21).
Examinando a vida de Paulo, vamos detectar que, em algumas passagens que antecedem este episódio mencionado na referência bíblica acima; houve vários irmãos pedindo que Paulo não fosse a Jerusalém; contudo, não sendo isto suficiente, em meio o caminho que conduzia a Jerusalém, Deus levantou profetas e continuou a falar para que Paulo não fosse a Jerusalém, mas este, fazendo uso do seu livre arbítrio, manteve-se irredutível, sendo assim, rebelde para com a vontade do Senhor.
Apesar dos fatos que mencionei acima, o que mais me chama a atenção, é este que ninguém saberia, se o próprio Paulo não o tivesse mencionado. Ele diz na referencia, que o próprio Senhor Jesus (a segunda pessoa da Trindade), apareceu-lhe, disse para que saísse de Jerusalém, disse que não receberiam o seu testemunho, e disse que o enviaria aos gentios de longe; e brilhantemente podemos afinal de contas conferir a grande liberdade e livre arbítrio existentes na vida de Paulo; pois este, mesmo estando diante do Senhor Todo- Poderoso, usa seu livre arbítrio, mantém-se rebelde, bate boca com o Senhor, decide não sair de Jerusalém, e assim permanece.
Em tudo isto, o que podemos definir, é simplesmente que Paulo, como todos os seres humanos, também possuía livre arbítrio.
Quero terminar este breve estudo, apenas fazendo uma triste e lamentável declaração. Devido à rebeldia de Paulo, milhares de vidas deixaram de conhecer Jesus Cristo, e Paulo, simplesmente foi preso em Jerusalém, deportado para Roma, e segundo a tradição judaica, decapitado.
O Reino de Deus ainda hoje pranteia a rebeldia de Paulo, pelos milhares que baixaram as chamas do inferno, e que poderiam ter sido salvos, se Paulo tivesse obedecido ao Senhor Jesus, e pregado aos gentios de longe.
Apenas como desabafo me permita...Seria bom mesmo, se Paulo não tivesse Livre Arbítrio. Contudo, maior glória há na vida daquele, que apesar de livre, também sabe ser obediente. E obediência somente é pedida de quem é livre, e não predestinado.

Certamente Cedo Venho - Apoc.22:20
(JESUS VOLTARÁ NO TERCEIRO MILÊNIO)
(Pr. Tupirani H. Lores)
A expressão que ora usamos para intitular esta página, certamente não é realidade para a vida de todos os que se dizem cristãos, mas para os que verdadeiramente são cristãos, estudiosos da palavra de Deus; para estes sim, verdadeiramente o Senhor Jesus sempre esteve perto; pois pelos estudos somos conhecedores das coisas concernentes a todos os episódios que sucederão sobre a terra, e todo universo (Isaías 44:7).
Quando questionaram o Senhor Jesus a respeito de sua volta e do fim do mundo (Mt. 24), este, apresentou a resposta não com fatos da cronologia humana: "daquele dia e hora ninguém sabe senão o Pai", mas sim com o propósito espiritual do Pai, ou seja: quando o Evangelho fosse pregado no mundo inteiro (Mt. 24:14).
Muitos pensam que Jesus voltará para a Igreja, o que é erro primário para quem estuda Teologia; pois sabemos que a Igreja será ARREBATADA antes da volta de Jesus, e que a volta literal de Cristo dar-se-á, segundo o profeta Zacarias, somente para os Judeus (Zacarias 14).
Para melhor sintonia, partindo do atual tempo da Graça, as dispensações que se seguem serão: Reinado do Anticristo, que será marcado com a aliança do Anticristo com os Judeus, e reinado milenar, iniciado pela volta literal de Jesus no Monte das Oliveiras (Atos 1:6-11), para reinar mil anos, tendo como sede do seu Governo, Jerusalém (Isaías 2:3).
Que Jesus voltará, isto é desnecessário declarar, porém, AFIRMAR que, este fato se dará no TERCEIRO MILÊNIO, aí somente se encontrarmos bases bíblicas para tal. Não esqueça que o número três revela a manifestação da divindade, com propósitos que não serão revogados.
Que ninguém se iluda, pensando que simplesmente pegará este estudo, e que tudo ficará maravilhosamente esclarecido, este esclarecimento será somente para aqueles que detiverem conhecimento prévio, principalmente da simbologia e da numerologia bíblica.
O texto de Mt. 24:14 apresenta-nos uma seqüência, ou seja: A pregação do Evangelho no mundo, e a seguir o fim. Quero lembrar que o FIM aí descrito é fim mesmo, término, extinção de uma era, sistema, etc.
E agora quero explicar, ou melhor, lembrar aos estudantes de Teologia, que após a implantação do Milênio, aí sim, o Evangelho será pregado no mundo inteiro, Cristo estará reinando pessoalmente (Apoc. 19:15). Contudo, após este período, Satanás será solto mais uma vez (Apoc. 20:1-10), e reorganizará seus exércitos novamente contra Jerusalém, sendo que desta vez, Cristo estará no trono, daí então, cairá fogo do céu na chamada Batalha Final (este é o FIM mencionado em Mat. 24:14, uma última batalha após o milênio).
Após esta brevíssima introdução, vamos aos textos que provam que O Senhor Jesus Cristo, voltará nesta terra, neste terceiro milênio; se no começo, meio, ou fim, isto veremos com o que dizem os textos bíblicos, mas que será neste milênio, isto é certo.
O primeiro e interessante fato, é que os Judeus estão no ano 5766, porque não podemos crer que no ano 6000 do calendário judaico alguma coisa possa
2/3
acontecer, visto que a volta de Jesus será para os Judeus, e como sabemos, (6)seis, é o número que representa o homem, e O Senhor estará reinando em carne, como homem, pois também em S. Lucas, sua genealogia é remontada até Adão, e o próprio Senhor ali se intitula, O Filho do Homem.
Quero, porém ressaltar, que este é apenas um ponto de vista que tenho; todavia, não ouso pensar que o retorno de Cristo, ainda demorará tanto.
Quando Israel foi incrédulo quanto às narrativas dos espias na questão da terra prometida (Nm. 13), Deus determinou que por cada dia, lhes daria um ano de castigo, e diversas partes da Escritura vão nos fornecer a simbologia de que para Deus um dia é como mil anos, e mil anos como um dia (II Pedro 3:8). Portanto, é hora de examinarmos os textos bíblicos (João 5:39).
Em Oséias 6:1 – 3, temos uma particularidade de Deus com o povo Judeu. Primeiro que: Ele fez a ferida e a ligará (Mt. 21:18, 19). Depois, fica revelado que: Depois de dois dias, e ao terceiro dia. Ou seja: Estes dois dias são dois mil anos consumados (depois), porém o terceiro dia é o terceiro milênio em meio (durante) ao qual Cristo voltará; onde é dito: Viveremos diante Dele (judeus remanescentes e gentios que retornarão/Apoc. 20:1 – 6).
Com o profeta Jonas há também muitas simbologias, mas é importante perceber que, a Escritura registra a ocorrência do clamor de Jonas, quando então, declara ter ele recebido a manifestação do Todo-Poderoso. Por que não pensar que Jonas represente Israel, e que este seu clamor tenha ocorrido no terceiro dia? Sendo este pensamento muito aceitável, por que não aplicar a simbologia deste terceiro dia com o terceiro milênio, quando os Judeus [que foram lançados nos mares (Nações), cercados de aflições], em virtude da Guerra do Armagedom, clamarão pelo seu Messias? (Is. 66:8).
Mais uma vez, no Evangelho de S. Lucas, no capítulo dois, no verso quarenta e dois, fala de Jesus com doze anos. Sabemos que doze significa a plenitude, é a ação direta do Todo-Poderoso, e neste caso profético, é também, a plenitude dos tempos (Gl. 4:4). No verso quarenta e seis de Lucas capítulo dois, fica evidenciado que Jesus foi encontrado ao terceiro dia (terceiro milênio); diz que foi achado no Templo (daí sairá o seu governo para todo o mundo – Isaías 2:3); é dito ainda que Ele estava no meio dos doutores, ouvindo-os e interrogando-os. E por fim, Jesus ainda disse que lhe cumpria estar na casa de seu Pai.
Dentre os muitos sinais que provam que Cristo retorna neste terceiro milênio, o mais maravilhoso é o que está contido em sua própria pessoa; pois sabemos que o Senhor Jesus foi crucificado na sexta-feira, e que o sábado seguinte era comemorado com quarenta e oito horas por se tratar da Páscoa (João 19:31). Originalmente esta comemoração durava sete dias, e como a Escritura revela que o Senhor ressuscitou no domingo, logo, concluímos que: Jesus ficou sepultado por três noites e dois dias. Isto quer dizer que Jesus estará oculto para os Judeus por dois mil anos consumados, mas se revelará em meio ao terceiro dia (milênio).
3/3
Em Mateus 28:1, diz que a ressurreição de Jesus deu-se ao FINDAR o sábado; em Marcos 16:2 diz que foi MUITO CEDO; em Lucas 24:1 é dito na ALTA MADRUGADA; e em João 20:1 diz que era MADRUGADA E AINDA ESCURA. Todas as expressões destacadas servem para nos fazer tremer; pois sabemos que ANTES da vinda de Jesus, acontecerá o ARREBATAMENTO da Igreja, e as expressões mencionadas revelam poucos instantes passados da meia-noite, que é conseqüência da retirada daqueles que são sal da terra e luz do mundo (Mt. 5:13), e sabemos que esta meia-noite é o reinado do Anticristo (em especial o final chamado grande tribulação), momento este em que para a Nação de Israel estará sendo o pior de toda a sua história; pois estarão na guerra do Armagedom, cercados por todos os inimigos (Zacarias 12 a 14), ou seja: é apenas a confirmação de que Jesus vem, realmente, juntinho da meia-noite, pois a final, é Ele quem porá fim à guerra mencionada.
Apenas a título de lembrete, vou afirmar que, quando O Senhor Jesus disse, que se aqueles dias não fossem abreviados, nenhuma carne se salvaria, mas por causa dos escolhidos (judeus), Ele, o único que pode, abreviará tais dias, é sobre estes dias que Ele estava se referindo.
Outro detalhe para muitos crentes se desesperarem, é que: Como se trata da volta de Jesus no milênio, e estamos vendo que o milênio é representado por dia; observando que a ressurreição de Cristo deu-se tão cedo, isto pode significar também, que Ele virá na parte INICIAL, não no meio, e nem no fim do milênio. Devemos tremer, visto o arrebatamento ANTECEDER todas estas coisas, e a parábola das dez virgens (Mt. 25), revela que não houve tempo para que todas se preparassem.
As passagens bíblicas de Salmo 30:5, Lamentações 3:23, e Apoc. 22:16, dentre outras, trazem-nos a simbologia de que a manifestação de Deus está muitas vezes, vinculada ao INÍCIO de um novo dia.
Muitos e abundantes episódios poderiam ter sido acrescentados neste relato, estes, porém, são o bastante, para que saibais, creiais, e despertais; sabendo que, deste milênio, a consumação não escapa (Ef. 5:14).

Nenhum comentário:

Postar um comentário